Nesse espaço

Textos psicografados, romance, Umbanda, Espiritismo compõem a tônica do A Alma das Coisas.
By
Annapon ( escritora e blogueira )

A Missão das Quatro Estações

Olá amigos leitores do "A Alma das Coisas"! O blog está com uma novidade, romance mediúnico totalmente gratuito e publicado, ...

A Missão das Quatro Estações - Capítulo XVIII - A CONFIANÇA DE AVA -

A CONFIANÇA DE AVA

O outono atingia o seu auge. As temperaturas começavam a declinar anunciando o inverno que batia às portas da região. O frio atingia também o coração de Ananda.
─ Preocupada filha? Perguntou docemente Frida.
─ Não posso esconder, não é mesmo?
─ Não, não pode. Mais uma vez vou repetir para que a confiança e a fé se fortaleçam em seu íntimo. Além do mais, eu e Augustus estamos contigo, confie filha. Esta missão é um tesouro precioso para todos nós. Não podemos permitir que o desânimo nos atinja. Ele é cruel e traiçoeiro, vigie seu coração contra ele, você deve combatê-lo com todas as forças que puder.
─ Obrigada irmã. Espero com o tempo tornar-me como você e Augustus.
─ Não deseje isso porque você tem brilho e força próprios. Acredite mais em você.

Finalmente o novo julgamento foi marcado. Seria próximo ao final do outono. Mais uma vez os ânimos se agitaram. Os corações dos envolvidos passaram a bater com mais força.
Henry já cansado e sofrido sentia um misto de medo e alívio.
O Reverendo Nicos e Margareth uniram-se em preces mais frequentes. A ligação afetiva de ambos crescia confiante e sem máculas. Suas almas alcançavam a plena união, que é eterna. Esta certeza e força íntima os confortava e fortalecia. O amor verdadeiro é divino e repleto de beleza.
A equipe se comovia ao ver os dois e se unia a eles em oração profunda.
Foi num desses momentos que Ananda teve a maior e mais surpreendente revelação.
Em sua tela mental, viu e soube quem na verdade era o Reverendo Nicos.
Surpresa e confusa pediu auxílio aos amigos. Desta vez, porém, soube controlar muito melhor a emoção, mantendo-se no domínio da situação “absurdamente” nova para ela.
Com sorriso nos lábios e com o maior carinho e alegria pela sua reação mais amadurecida, Frida e Augustus aproximaram-se dela envolvendo-a em suave abraço.
─ Parabéns, querida! Viu como é bom amadurecermos as nossas reações? Mesmo que o fato nos choque e surpreenda, quando temos o controle das emoções tudo fica mais claro e mais fácil de compreender. Não é mesmo?
─ Sim, claro que é. Sinto-me feliz por isso e devo tudo a vocês, meus guias fiéis e amigos.
─ Devemos muito a você também, esteja certa disso. Nós te amamos.
─ Só me digam uma coisa. Há algo que eu possa fazer quanto a isso?
─ No momento não.
─ É que estou muito confusa, não consigo compreender bem os fatos.
─ Compreenderá. Os fatos lhe serão totalmente revelados oportunamente. É sempre assim, não é mesmo?
─ Sim, sei que é.
Tomados de profunda emoção, os amigos choraram e oraram juntos em perfeita comunhão de propósitos.

Ava não podia esconder sua ansiedade. Todos os dias lia e relia o material de que dispunha sobre o caso de Henry. Nada de novo lhe ocorria. Sentia que deveria contar apenas com o que possuía e com sua habilidade pensando: “Mas que habilidade? Será que possuo habilidade suficiente para encarar este caso?”.
A angústia começava a dominar seu coração inseguro quando Ambrozina, mais uma vez, fez-se presente com suas palavras e fé inabaláveis.
Ambrozina conseguia fortalecer o espírito vacilante de Ava.
─ Muito bem, amiga do meu coração, agora que suas palavras revigoraram meu ânimo, diga-me: devo encomendar um novo tailler para a ocasião?
─ Penso que sim, uma roupa nova sempre fortalece a auto estima das pessoas. Acho boa ideia, e que seja um belo tailler.
─ Vou agora mesmo escolher o tecido. Qual cor sugere?
─ Azul. Da cor do céu.
Ambrozina exercia forte influência no bom humor de Ava. Com poucas palavras, conseguia elevar-lhe o moral, a força, a confiança e a fé que nela própria eram inatas.
Ava saiu feliz em busca do tecido, esquecendo a angústia e a ansiedade de minutos atrás. Sabia que não estaria só no tribunal. Ambrozina lembrou-a do auxílio dos mensageiros de Deus. Ava pôde sentir-lhes a presença e os bons fluídos, entregando-se à confiança plena na Providência Divina e na inspiração dos espíritos por Deus enviados a todos aqueles que N’Ele crêem e pedem por ajuda de coração aberto às suas boas influências.



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Pesquisar este blog