Nesse espaço

Textos psicografados, romance, Umbanda, Espiritismo compõem a tônica do A Alma das Coisas.
By
Annapon ( escritora e blogueira )

A Missão das Quatro Estações

Olá amigos leitores do "A Alma das Coisas"! O blog está com uma novidade, romance mediúnico totalmente gratuito e publicado, ...

terça-feira, 28 de fevereiro de 2017

Triângulo do Drama




Olá leitores queridos!


Existe um tipo de comportamento humano muito comum que obedece à seguinte sequencia:


Salvador - Vítima - Algoz


Creio que todos nós, um dia ao longo de nossa vida, já nos comportamos assim até mesmo sem perceber.


Aprendi essa lição numa das obras psicografadas por Francisco do Espirito Santo Neto, pelo espirito Hammed, "Um modo de Entender" leitura que recomendo e que me apresentou esse estudo do psiquiatra Steven Karpman.


A lição consiste no seguinte esquema:


As vezes, por alguma razão, temos muita vontade de ajudar alguém. Envidamos todos os nossos esforços para obter exito nessa empreitada de socorro ao outro, sem ao menos perguntar se essa ajuda é bem vinda, ou seja, se o outro quer mesmo ser ajudado.

Essa é a postura do Salvador, ou, pretenso salvador.


O Salvador, frustrado, diante da negativa do outro em aceitar sua ajuda, passa a se comportar como vitima quase sempre dizendo o seguinte:


- Poxa! Estou querendo te ajudar e você não entende? Faço tanto por você, me preocupo, falo como deve se comportar e você não dá atenção. Isso me fere sabe? Fico triste porque quero te ajudar e você despreza meu cuidado...


Dessa postura de vítima, passa para o outro estágio, o de algoz. Sim porque quis ser salvador e não conseguiu, posou de vítima e foi ignorado, portanto, sendo algoz, seu ego "salvador" será satisfeito ok? Talvez, quem sabe, mas, vamos continuar.


O algoz passa então a provocar sua vítima. Com seu ego desprezado, o algoz arma ciladas, tem prazer quando assiste a derrota do outro, o persegue de todas as formas e com isso esquece de viver sua própria vida.


Enquanto escrevia esse post, resolvi pesquisar sobre o triângulo de sentimentos acima exposto e encontrei um texto pertinente que compartilho para que fique bem claro esse meu pensamento:

Triângulo do Drama

Publicado por GLORIA TELLEZ

Origem

O Triângulo do Drama foi originalmente criado por Steven Karpman para representar o processo de auto-vitimização através das três faces da vítima.

A maioria de nós reage inconscientemente à vida através de uma posição de vítima. Sempre que nos recusamos a assumir responsabilidade por nós mesmos, nós escolhemos ser vítimas. Isso faz com que nos sintamos à mercê, traídos e injustiçados, não importando em qual situação estejamos.

Karpman nomeou os três papéis no Triângulo do Drama Perseguidor, Salvador e Vítima, e os colocou em um triângulo invertido representando as três faces da vítima. Apesar de somente um dos papéis se chamar Vítima, todos três se originam e terminam nele. Portanto, todos são paradas na estrada da auto-vitimização. Cada um de nós é mais familiar com um papel, que chamo de posição inicial.

Como funciona

Aprendemos nossa posição inicial dentro da nossa família. Apesar de cada um de nós ter um papel com o qual mais nos identificamos, nós também atuamos em outros papéis, rodando o triângulo, por vezes em questão de minutos, ou até mesmo segundos, várias vezes por dia.

O Salvador se torna vítima vestindo a carapuça de mártir: “Depois de tudo que eu fiz por você…”, enquanto o Perseguidor se vitimiza como forma de justificar vingança: “Se não fosse por você, eu não teria tido que…”.


Enquanto o Salvador persegue privando a vítima de seus cuidados e atenção, um Perseguidor salva de forma quase tão dolorosa quanto quando está em modo de ataque.

Assumindo os papéis

Uma pessoa cuja posição inicial é a de Vítima é perpetuamente digna de pena e incapaz. Até sua forma de salvamento é inferior: “Você é o único que pode me ajudar, porque é tão talentoso, ou inteligente, ou…”Nós não somente atuamos nesses papéis triangularmente distorcidos em nossas relações diárias com outras pessoas, mas também internamente.

Damos a volta no triângulo em nossa mente tão rápido quanto o fazemos em relação ao mundo exterior. Caímos em nossa própria armadilha com um diálogo interno desonesto e disfuncional.

Antes que saiamos do triângulo temos de reconhecer e desejar abrir mão do drama que ele produz. Temos de, primeiramente, tornar-nos intimamente conhecedores dos preços e barganhas de cada parada no caminho da auto-vitimização. Isso nos possibilitará não somente reconhecer os vários papéis, mas também avaliar realisticamente as conseqüências de estar atuando em qualquer um deles.

Identificar a linguagem e a movimentação de cada papel nos ajuda ainda mais a perceber quando estamos sendo envolvidos por outras pessoas em um triângulo. Com esta percepção, nós podemos escolher se queremos ou não dançar a música vergonhosa da vítima. Com isto em mente, vamos examinar cada papel cuidadosamente.

Os papéis

O papel de Salvador é o princípio da sombra maternal. É a reação tipicamente co-dependente que chamamos de “sufocante”. Isso faz com que seja essencial ter uma vítima dependa dele. O Salvador é protetor, mediador; aquele que deseja “consertar” os problemas, mesmo não tendo sido chamado para isso. Por isso muitas vezes fica desapontado com a vitima.

A Vítima é a sombra da perfeita criança: inocente, vulnerável e carente. Vítimas adotam a atitude de “Eu não consigo”, estando sempre em busca de alguém que seja “mais capaz” para cuidar deles. Vítimas negam tanto sua capacidade de resolver problemas quanto seu potencial para gerar poder. Sente-se impotente, à mercê, maltratado, intrinsecamente mau e errado.

O Perseguidor tenta “reformar” através da força. Este papel é tomado por alguém que quer ter suas necessidades atendidas através de métodos autoritários, controladores e até mesmo punitivos. O Perseguidor se livra do sentimento de culpa colocando poder em outros, por isso sempre precisa de uma Vítima para culpar.

O Perseguidor acredita que tem de brigar com o mundo para sobreviver! Seu grito de guerra pode muito bem ser “Eu fui injustiçado e alguém tem de pagar!”.

O Triângulo do Drama no dia a dia

Em situações de conflito, identifique qual papel você está interpretando para poder assumir o controle da situação.

Você pode se fazer algumas das seguintes perguntas:

O que não estou fazendo?

O que preciso fazer?

Quem está assumindo a responsabilidade de quem?

Estou permitindo à outra pessoa assumir suas responsabilidades?

Quem tem o poder? Como eu sei?

Concordei com mais do que eu quero fazer?

Estou fazendo mais do que me corresponde?

Estou assumindo meu poder de forma positiva e adequada?

Estou utilizando meu poder para definir meus próprios limites e assumir a responsabilidade por mim e minhas ações?

Que limites que eu preciso estabelecer?

Estou usando o meu poder para cuidar de mim mesmo corretamente?

O que estou sentindo sobre esta situação? Como eu gostaria de me sentir?

Que medidas preciso tomar para lidar com esta situação da melhor maneira possível e obter o melhor resultado possível?

Veja que atitude tomar segundo o papel que você assumiu nessa situação:

O salvador tem de assumir a responsabilidade por si e por suas ações, conectar-se com seu poder e reconhecer a sua vulnerabilidade.

A vítima precisa reconhecer sua própria vulnerabilidade e assumir a responsabilidade para si própria, aceitar que tem poder e é capaz de utilizá-lo adequadamente.

O perseguidor mantem o poder em si mesmo, em vez de ter medo dele, transferi-lo para a vítima, ou utilizá-lo dissimuladamente.Robert T LCSW - O triângulo de relacionamento -


Esta é uma maneira útil de olhar para os relacionamentos, e eu uso isso em todo o meu trabalho com casais tanto como uma maneira de ver onde eles estão, mas também onde eles precisam ir. É baseado no Triângulo do Drama, também conhecido como o Triângulo de Karpman, que foi desenvolvido pelo psiquiatra Steven Karpman no início dos anos 70. O que se segue em minha interpretação e expansão sobre as idéias originais de Karpman.


Comece imaginando ou desenhando um triângulo de cabeça para baixo (faça isso agora, isso vai ajudar). No topo há duas letras, P à esquerda tinha lado, R à direita. Na parte inferior, a ponta do triângulo é a letra V.


O triângulo representa a relação entre duas pessoas. As P, R e V representam papéis diferentes que as pessoas podem desempenhar; Não é o próprio povo, mas um papel. Os papéis interagem e há sempre alguém no topo que parece ter mais poder, e alguém no fundo. A relação move-se aproximadamente em um círculo como segue:


A pessoa é a posição R é o salvador. A pessoa nesse papel essencialmente tem controle de "cara legal". Ele se agarra ao V ou à vítima. A pessoa nesse papel sente-se oprimida às vezes. Ele sente que os problemas estão caindo em sua cabeça. O salvador entra e diz: "Eu posso te ajudar, basta fazer o que eu digo, tudo ficará bem". Muitas vezes os casais vão começar seu relacionamento em alguma forma dessas. Eles psicologicamente armaram um negócio: O socorrista diz que eu vou concordar em ser grande, forte, bom e agradável; A vítima diz que eu concordarei em ser oprimido e incapaz de

gerenciar. Todos estão felizes. O socorrista sente-se necessário, importante e responsável. A vítima tem alguém para cuidar dele.


E funciona bem, exceto de vez em quando uma de duas coisas acontece. Às vezes, o socorrista fica cansado de fazer tudo. Ele sente que está assumindo todas as responsabilidades e que o outro não está puxando seu peso, não devolvendo nada, não apreciando o que o salvador está fazendo. O salvador fica farto, zangado, ressentido. Bam! Ele muda para o P, o papel de perseguidor. Ele repentinamente explode - geralmente sobre algo menor como limpar a lavanderia ou tirar o lixo - ou atos fora - sai e gasta muito dinheiro, vai beber, tem um caso. Ele sente que ele merece, olha, afinal, diz para si mesmo, com o que eu tenho aguentado! A mensagem do comportamento e da raiva que geralmente não sai muito claramente é: "Por que você não cresce! Por que você não toma alguma responsabilidade! Por que eu tenho que fazer tudo por aqui! Aprecio o que estou fazendo por você! Isso é injusto! " O sentimento de injustiça é forte.


Nesse ponto, a vítima fica assustada e se move até a posição R, tenta recuperar e acalmar as águas. "Eu sinto muito", diz ele. "Eu não percebi, eu realmente aprecio o que você faz. Eu vou fazer melhor." Então o perseguidor sente-se mal sobre tudo o que ele fez ou disse e desce para a posição da vítima e fica deprimido. Então ambos estabilizam e voltam para suas posições originais.


A outra coisa que acontece, às vezes, é que a vítima se cansa de ser a vítima. Ele fica cansado do outro sempre executando o show, sempre dizendo-lhe o que fazer. Ele fica cansado de ser desprezado, porque o socorrista está basicamente dizendo: "Se não fosse por mim, você não conseguiria." De vez em quando a vítima fica farta e Bam, move-se para o papel de perseguidor. Como o salvador, a vítima neste papel explode e fica com raiva geralmente sobre algo pequeno, ou age fora.


A mensagem que não é dita é:

- Por que você não sai de perto? Deixe-me sozinho, pare de controlar a minha vida! Afaste-se, eu posso fazer as coisas sozinho! O socorrista ouve isso e se move para a posição da vítima. Ele diz a si mesmo: "Pobre de mim, toda vez que eu tento ajudar, olha o que eu tenho." O perseguidor então se sente mal por tudo o que ele fez ou disse e vai para a posição de socorrista e diz algo como: "Eu estava estressado, não tomei meus remédios, estava cansado por causa das crianças. E, em seguida, eles voltarão para onde estavam originalmente.



Quando todos começarem a mover-se entre todos os papéis, frequentemente um caberá mais confortavelmente em um papel mais do que outro. Isso tem a ver com personalidade , educação e maneiras aprendidas de lidar. O salvador como uma criança era muitas vezes um filho único, mais velho, ou cresceu em uma família caótica. Ele geralmente não tinha diálogo com seus pais , e aprendeu desde cedo que ele poderia evitar entrar em apuros e evitar conflitos por ser bom: "Se eu posso ficar na minha e apenas fazer o que meus pais (e professor) querem que eu faça o tempo todo, eu não vou me incomodar."


Este tipo de pessoa aprende a ser muito sensível aos outros como um meio de sobrevivência. Ele desenvolve um bom radar e pode captar as nuances das emoções. Ele é hiper alerta, gasta toda a sua energia pesquisando o ambiente , permanece centrado, sempre pronto para fazer o que os pais querem. Essencialmente ele assume a posição de "Estou feliz se você está feliz, e eu preciso ter certeza de que você está feliz." Ele é recompensado por ser bom e sua cabeça está cheia de deveres.


O que funciona para a criança, no entanto, não necessariamente funciona tão bem para o adulto. Agora o mundo é maior. Ao invés de apenas duas ou três pessoas importantes para prestar atenção, o adulto salvador tem muitos mais - o chefe, o IRS, o presidente do Rotary Club local ou VFW. Ele agora se sente puxado em um monte de direções, esticado, para se acomodar no que ele pensa que outros querem dele. Ele se sente facilmente como um mártir, ele está sempre em risco de surtar .


Ele também tem dificuldade em saber o que ele quer. Porque ele gastou tanto de sua energia como uma criança olhando para fora e fazendo o que outros queriam, ele nunca teve a oportunidade de sentar e decidir o que ele queria. Querer, ao contrário de seguir deveres e regras, é um sentimento, e ele muitas vezes não está ciente do que ele está sentindo. Como um adulto se você perguntar a ele "Mas o que você quer?" Ele hesita e fica preso. Ele se preocupa em tomar a decisão certa, não ofender ninguém em sua vida ou a voz crítica em sua cabeça.


Ele também tem um tempo difícil com raiva e conflito (que é a razão pela qual ele se tornou bom em primeiro lugar) e tende a encher a raiva até ele ficar farto. Então ele explode, e porque ele é tão desconfortável cria tanto drama, ele sente como se seu pior sonho se tornasse realidade. Ele se sente culpado , e empurra tudo de volta para baixo novamente, só para reconstruir.


A vítima, em contraste, era como uma criança, muitas vezes a mais nova da família, era super-protegida como criança pelos pais ou tinha irmãos mais velhos que entraram e assumiram tudo quando ele estava preso num problema. O que ele perdeu no crescimento foram oportunidades para desenvolver a auto- confiança que vem de aprender a gerir os problemas por conta própria. Agora, como um adulto, ele fica facilmente sobrecarregado, sente-se ansioso. Para lidar com esses sentimentos, ele olha para o socorrista que toma conta dele e o ajuda a se sentir melhor.


O perseguidor como um tipo é o gêmeo do mal do salvador. Considerando que o socorrista controla por ser bom e agradável, o perseguidor é irritado, crítica culpando. Este é o agressor e, obviamente, alguns casais começam com esse relacionamento perseguidor - vítima, interpretando modelos e papéis infantis . O perseguidor aprendeu cedo que quando eu fico com medo eu paraliso. Se eu posso controlar negativamente tudo que está acontecendo ao meu redor, ninguém pode se esgueirar atrás de mim e me pegar.


Agora imagine ou desenhe dois A's próximos um do outro com uma linha traçada entre eles (Vá em frente, faça isso, isso vai ajudar). O A representa adultos. Esta pessoa não está em um papel, é mais completa, pró-ativa do que reativa, auto-responsável, em vez de culpar, e está fora do triângulo. Os adultos são pares; Eles estão no mesmo nível em termos de poder. É aqui que você quer estar.


O adulto diz: "Eu sou responsável pelo que penso, faço, digo, se algo me incomoda, é o meu problema. Se você pode fazer algo para me ajudar com o meu problema, preciso dizer-lhe, porque você pode ler minha mente.Se você decidir não me ajudar, eu vou precisar decidir o que eu vou fazer ao lado de corrigir o meu problema.Além disso, se algo incomoda você, é o seu problema.Se há algo que eu posso Fazer para ajudá-lo com o seu problema, você precisa me dizer.E se eu decidir não ajudá-lo com o seu problema, você pode trabalhar para fora.Não pode lidar com ele da maneira que eu poderia, mas você pode fazê-lo. 'T necessidade de assumir. "


Dois dos problemas que o socorrista e a vítima têm em seu relacionamento são que eles esperam mutuamente - você deve saber o que está acontecendo ou como ajudar sem que eu tenha que dizer isso - e então se sentir frustrado ou desapontado ou zangado quando o Outros não. Eles também têm sentido distorcido de responsabilidade: o salvador tende a ser excessivamente responsável - seus problemas são meus problemas, eu estou feliz se você está feliz, e é meu trabalho para se certificar de que você está feliz. Na tentativa de "fazer" a vítima feliz, a vítima ao longo do tempo começa a sentir pressão e controle, o que configura a explosão. Da mesma forma, a vítima tende a ser sub-responsável - meus problemas são os seus problemas - eu espero corrigi-los, e eu tenho que esperar ou manipulá-lo para fazê-lo.


Os adultos, em contraste, são claros sobre quem tem o problema. Isto é representado pela linha vertical que corre entre eles. Se você a sente, é sua. Este é um conceito-chave, um valor inestimável para os casais de compreender e incorporar. Por estar ciente de quem tem o problema, os indivíduos podem evitar a defensividade, ansiedade, controle e manipulação de casais capturados no triângulo.


Eles também podem ser mais íntimos. O problema que o socorrista e a vítima enfrentam em seu relacionamento é que os papéis, que não são as próprias pessoas, mas apenas partes delas, mantêm-nos presos. O salvador não pode baixar a guarda, ou ficar muito vulnerável porque tem medo de que a vítima não será capaz de lidar com isso. Da mesma forma, a vítima nunca pode ficar muito forte porque o socorrista vai se sentir ameaçado e fora do trabalho. A longa linha entre a vítima eo socorrista é real. Representa a distância emocional entre eles.


Os adultos não têm esse problema. Ambos podem ser responsáveis, fortes e ainda honestos e vulneráveis. Eles podem assumir riscos, não estão bloqueados em papéis e, portanto, pode ser mais aberto e íntimo.


Duas pessoas podem, obviamente, estar neste padrão por um longo tempo - aparentemente se dando bem, de repente tendo alguma atuação fora ou explosão emocional, fazendo-se, retornando a seus papéis e repetindo o padrão e outra vez. Às vezes, particularmente para o salvador, continuará até que ele finalmente cai do peso de tudo - ele recebe um ataque cardíaco ou tem algum colapso psicológico, e todo mundo está surpreso e com medo. O que também pode acontecer ao longo do tempo e o que muitas vezes leva o casal a terapia , é que uma pessoa está cansada de ir ao redor do ciclo, ou começa a superar o papel que ele está dentro Como qualquer outro padrão que leva dois para jogar o jogo E assim que uma pessoa começa a se mover para o adulto, o outro fica com medo e tenta puxá-lo de volta para mantê-lo.


Por exemplo, você pode ter um socorrista que se cansa de limpar todo o tempo e começa a se afastar e definir melhor os limites e problemas. O caso clássico disso é o co-dependente de um alcoólatra . A esposa, por exemplo, começa a assistir às reuniões de Alanon e começa a dizer ao marido: "Jake, eu não vou chamar seu chefe para você na manhã de segunda-feira e dizer-lhe que você está doente.Você pode chamá-lo você mesmo. Eu não vou te pegar no gramado da frente no sábado à noite se você ficar bêbado. " A esposa está saindo do triângulo e se Jake se embebedou antes, ele vai bêbado rugindo para tentar e ligar a esposa de volta dentro Se isso não funcionar, Jake é provável que mude para um dos outros Papéis: Ele pode mudar para o perseguidor, ficar com raiva, e ameaçar o divórcio e a custódia das crianças ou cortar o dinheiro; Ele pode ficar bom, dizer-lhe como ele vai começar a ir às reuniões de AA para apaziguá-la e trazê-la de volta.


Da mesma forma, se a vítima se move para a posição de adulto, o socorrista se sente ameaçado. Isto é visto frequentemente no estágio vazio do ninho do casamento . O marido tem sido mais ou menos responsável - fazendo a maior parte das grandes decisões, apoiando financeiramente a família - e as crianças começam a sair de casa. A esposa começa a dizer algo como: "Você sabe, Bill, eu estou pensando em voltar para a escola, eu nunca terminei meu curso porque eu fiquei em casa com as crianças, e agora é um bom momento para fazer isso. Voltarei ao trabalho em tempo integral, acho que gostaria de ter minha própria conta de cheques e poupança para poder ter meu próprio dinheiro e ser mais independente ".


Enquanto Bill sabe o que fazer quando sua esposa está na posição de um para baixo, ele não sabe o que fazer quando ela muda. Geralmente, a primeira coisa que Bill instintivamente fará é ser gentil, mas tentar conversar com sua esposa sobre as mudanças: "Por que você quer voltar para a escola agora? Você tem 45 anos." O que você vai ser capaz de fazer Com um grau? Vai custar-nos 30 mil para aulas, para o quê? Você não precisa ter um emprego a tempo inteiro.Este é um momento para tomar mais fácil.Nós não precisamos de outra conta corrente.Custa US $ 10 a Mês em taxas que não precisamos gastar. " Fique em pé é a mensagem. Se isso não funcionar, Bill pode mudar para o papel de perseguidor e ficar com raiva - "Se você quer ir para a escola, você encontra uma maneira de pagar por isso, não estamos tirando isso da nossa aposentadoria ". Ou Bill vai se mudar para a posição da vítima, ficar deprimido para que sua esposa precise ficar em casa e cuidar dele.


Finalmente, você facilmente vê esta dinâmica é relações abusivas. Se a vítima de um relacionamento perseguidor-vítima decide sair do triângulo ou sair do relacionamento e não ser mais um saco de pancadas, a primeira coisa que o perseguidor fará é mais do mesmo. Se ele estava com raiva, ele agora vai ficar explosivo. Ele a perseguirá, a caçará, a abusará emocionalmente ou a espancará. Se isso não funcionar, ele pode ficar bom. Ele vai chamá-lo para a gestão da raiva e perguntar se você poderia chamar sua esposa ou namorada e dizer-lhe que ele chamou sobre a terapia, então não seguir. Se isso não funcionar, ele pode ficar deprimido, até mesmo ameaçar matar-se para que ela volte para o relacionamento.


Se todo o jockeying ao redor não trabalha, a pessoa deixada para trás tem uma de duas escolhas. Ele pode terminar o relacionamento e encontrar alguém para desempenhar o papel correspondente, alguém para controlar, alguém para cuidar deles. Da pessoa deixada para trás pode se mover para a posição adulta também.


Os desafios de ambos os parceiros que se deslocam para a posição de adulto são vários. O sentimento natural do deixado para trás é que se você se importa, você permanecerá no triângulo. Se ambos se movimentarem, os parceiros precisam desenvolver novas maneiras de mostrar que se importam uns com os outros. Haverá um período de transição enquanto essas novas formas estão sendo criadas, e as novas maneiras não, pelo menos por algum tempo, se sentem tão bem quanto os velhos caminhos. Há também os desafios de aprender novas habilidades, especialmente para um sentimento deixado para trás.


A razão pela qual o triângulo é tão forte e funciona é porque os papéis são complementares. Cada um vê no outro o que ele é incapaz de ver em si mesmo. O salvador, por exemplo, não é tão bom ou forte como ele pensa, mas vê a sua vulnerabilidade e raiva na vítima e perseguidor. A vítima não é tão fraca como ele pensa, mas projeta sua força e raiva sobre o salvador e perseguidor. O perseguidor não é tão duro como ele pensa, mas só vê a sua fraqueza e bondade na vítima e salvador.


Para ter sucesso, cada um deve aprender a reconhecer e incorporar o que foi deixado de lado. O socorrista precisa aprender a reconhecer seus desejos e assumir o risco de não ser bom e excessivamente responsável. Ele precisa aprender a reconhecer sua raiva e usá-la como informação sobre o que ele quer. Ele precisa experimentar o abandono do controle e resistir ao impulso de consertar sua própria ansiedade tomando o controle quando o outro está lutando. Ele precisa aprender a baixar a guarda, para que ele possa aprender a confiar e ser vulnerável, e cuidar de uma maneira genuinamente carinhosa, ao invés de por medo e necessidade de controle.


Da mesma forma, a vítima precisa construir sua auto-confiança - tomando riscos e fazendo as coisas por conta própria, usando o salvador não como um salvador, mas um apoio. Ele precisa aprender a compartilhar os problemas para que ele não se sinta tão sobrecarregado. Como o salvador que ele precisa para aproveitar sua raiva e usá-lo para melhor definir seus limites e desejos.


Finalmente, o agressor precisa reconhecer que sua raiva é uma defesa. Ele tem que procurar as emoções mais suaves que ele vê na vítima - a dor, a tristeza, o arrependimento - em si mesmo e sob a cobertura de sua raiva. Ele também precisa mudar sua força para uma que é mais generosa, precisa encontrar maneiras de ser nutrir e permitir-se ser nutrido pelo outro.


O triângulo de relacionamento dá-lhe uma maneira de conceituar a dinâmica de um relacionamento.


Veja onde você se encaixa. 



Espero que tenham gostado e que seja útil a informação. Vale refletir ainda, sobre como uma simples leitura pode nos levar ao encontro de uma ajuda mais ampla em nossas vidas. É sempre bom ler, mas, ler apenas não basta, é preciso criticar a leitura, pensar no que se lê e assim ir em busca de ampliar o leque que a leitura propõe.No caso, conheci esse estudo porque li uma obra psicografada que por sua vez me ajudou a refletir sobre o assunto acima e buscar mais informações que somassem.

Annapon

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Pesquisar este blog