Nesse espaço

Textos psicografados, romance, Umbanda, Espiritismo compõem a tônica do A Alma das Coisas.
By
Annapon ( escritora e blogueira )

A Missão das Quatro Estações

Olá amigos leitores do "A Alma das Coisas"! O blog está com uma novidade, romance mediúnico totalmente gratuito e publicado, ...

sábado, 30 de agosto de 2014

Sincretismos e Religiões



Sincretismos e Religiões





“Nada há de novo abaixo do Sol.

“Em religião nada se cria, tudo se copia.

Uma absorve os mistérios das outras”.

Pai Benedito de Aruanda




“Não há religião superior à verdade”

Helena P. Blavatsky




Texto de Alexandre Cumino




Sincretismo consiste em unir dois ou mais valores para alcançar um terceiro valor, o sincretismo

religioso está muito ligado às culturas, pois valores de duas ou mais culturas se unem quando nasce uma

nova religião.

Vejamos por exemplo na Umbanda, uma religião brasileira, que tem culto aos Orixás, divindades

africanas da cultura Nagô, e aos Santos, da cultura católica. Jesus Cristo e Oxalá são cultuados em um

sincretismo tão forte que Jesus passa a ser Oxalá e Oxalá passa a ser Jesus. Aqui também surgem

polêmicas onde nem todos aceitam o sincretismo desta forma, para muitos Jesus apenas representa

Oxalá, para outros vice e versa e para terceiros os dois, Oxalá e Jesus, caminham juntos sem perder sua

individualidade. Assim é o sincretismo na Umbanda que aparece identificando:

Jesus Cristo com Oxalá

Nossa Senhora da Conceição com Oxum

São Sebastião com Oxóssi

São Jerônimo com Xangô

São Jorge com Ogum

São Lázaro com Obaluayê

Santa Clara com Logunan

São Bartolomeu com Oxumaré

Joana D’Arc com Oba

Santa Bárbara com Iansã

Santa Sara Kaly com Egunitá

Santa Ana com Nanã Buroquê

São Roque com Omulu

Cosme e Damião com Ibeji

Na cultura brasileira existe o sincretismo cultural, que aparece em “síntese” na Umbanda, como

um espelho que mostra as culturas do Negro (Cultura Africana), do Branco (Cultura Europeia) e do Índio

(Cultura Nativa); todas elas partes de um todo que é a Cultura Brasileira.

1 Ver Renato Ortiz. A Morte Branca do Feiticeiro Negro. São Paulo: Ed. Brasiliense, 1991.

O que cria um ritual marcado por estas influências, com muita musicalidade tocada por

atabaques, rezas para Santos e Orixás, uso de terços e de colares de contas (guias), a valorização da

natureza com a visão do índio que adora Tupã, o uso de ervas com banhos e defumação, uma forma

simples de magia que mistura valores indígenas com o afro-brasileiro e muitos outros traços deste povo

brasileiro.

Mas esta absorção cultural religiosa (sincretismo) não é uma exclusividade da Umbanda, o

Judaísmo absorveu das culturas sumeriana, babilônica, acadiana e assíria em geral assim como a cultura

cristã se alimentou da judaica e da grega, a cultura do islã pode absorver as culturas cristã e judaica,

assim como todas elas têm uma influência mais sutil também da quase extinta cultura persa, dos cultos

zoroastristas. O Budismo nasce em solo hindu, através de um príncipe guerreiro, Sidarta Gautama, o

budismo tibetano recebe influência diferente do budismo chinês, pois os valores que antecedem

permanecem subentendidos e se unem a outros para criar a argamassa com a qual a nova religião é

construída.




Tudo se transforma e assim é com as religiões que para nascer se alimentam de outras religiões,

até que ao atingirem certa “proporção”, que nem sempre corresponde à maturidade, passam aos

conflitos de “adolescência” em relação à “Matriz” para então passarem a uma disputa aberta, na

maioria dos casos, com objetivo de mostrar a supremacia de uma geração em relação à outra. A nova e

vigorosa geração apresenta ideias inovadoras ou ainda, apenas, acredita, pensa, que suas ideias são

novas e que está fazendo algo que ninguém teria feito antes.

Encontraremos muitos valores em comum nas religiões, muitas vezes chega a parecer que existe

apenas uma única religião que se manifesta de formas diferentes, a Ordem Teosófica tem uma visão

muito particular sobre esta questão, onde a Teosofia é a “religião eterna” ou talvez “a religio-vera”, a

“religião verdadeira” e mais adequadamente a “Religião da Sabedoria” que seria o ideal a que todas as

religiões buscam. Para muitos este ideal religioso pode ter sido algo que perdemos em outras eras

quando a humanidade possuía um nível superior de espiritualidade, como no mito de Atlântida ou da

Lemúria. Na literatura de Rubens Saraceni encontramos esta cultura perdida no que é chamado de “Era

Cristalina” (“Os Templos de Cristais”, “Hemissarê”, “O Guardião dos Caminhos” / Ed. Madras – Rubens

Saraceni).

Helena P. Blavatsky, fundadora da Ordem Teosófica, uma das mais eruditas e influentes

estudiosas e pesquisadoras de religião de todos os tempos, em seu Glossário Teosófico (Ed. Ground, 4ª

ed., 2000, trad. Silvia Sarzana) define Religião, Religião da Sabedoria e Teosofia de uma forma que

apresenta muito bem esta ideia sobre um conhecimento eterno, que se manifesta nas diferentes

religiões, mudando apenas a forma. Vejamos as definições de Blavatsky:

• Religião – Apesar da imensa diversidade que oferecem do ponto de vista exterior, todas as

religiões têm um fundo comum nas ideias dogmáticas, filosóficas e morais. De fato, o estudo

comparado das religiões demonstra que os ensinamentos fundamentais sobre a Divindade, o homem, o

universo, a vida futura, são substancialmente idênticos em todas elas, apesar de sua diversidade

aparente. São as mesmas encobertas pelo véu próprio das religiões exotéricas que as desfiguram

parcialmente. É como uma luz branca encerrada num farol, que tem, em cada um de seus lados, um

vidro de cor diferente e, conforme o lado em que é olhada, parece vermelha, azul, verde ou amarela;

retire os cristais e verá a mesma luz em sua pura cor natural. Esta base comum de todas as religiões

dignas deste nome explica-se porque todas elas emanam da Grande Fraternidade de Instrutores

Espirituais, que transmitiram aos povos e raças as verdades fundamentais da religião, sob a forma mais

apropriada às necessidades daqueles que deviam recebê-las, bem como às circunstâncias de tempo e

lugar. Por isso se disse, não sem fundamento, que a questão religiosa é principalmente uma questão

geográfica; assim, uma pessoa é muçulmana simplesmente porque nasceu na Arábia; católica, porque nasceu na Europa etc. Em sua missão sublime, os excelsos fundadores de religiões foram auxiliados por

certo número de indivíduos iniciados e discípulos de diversos graus, homens eminentes por seu saber e

por seus relevantes dotes morais. Outra causa poderosa do antagonismo entre aqueles que professam

credos religiosos diferentes são as corrupções introduzidas por seus representantes, que os modificam

e transformam a seu bel-prazer, impulsionados geralmente por interesses e egoísmo.

• Religião da Sabedoria – A única religião que serve de base a todos os credos existentes na

atualidade. Aquela “fé” que, sendo primordial e revelada diretamente à espécie humana por seus

Progenitores e pelos Egos que a instruem (por mais que a Igreja os considere como “anjos caídos”) não

exige “graça” alguma ou fé cega para crer, porque era conhecimento. Nesta Religião da Sabedoria

baseia-se a Teosofia.

• Teosofia (do grego, theosophia) – Religião da Sabedoria ou “Sabedoria Divina”. O substrato e

base de todas as religiões e filosofias do mundo, ensinada e praticada por uns poucos eleitos, desde

que o homem se converteu em ser pensador. Considerada do ponto de vista prático, a Teosofia é

puramente ética divina. As definições da mesma encontradas nos dicionários são puros desatinos,

baseados em preconceitos religiosos e na ignorância do verdadeiro espírito dos primitivos rosacruzes e

filósofos medievais, que se intitulavam teósofos. [A palavra Teosofia não significa Sabedoria de Deus,

mas Sabedoria dos Deuses ou Sabedoria Universal. Esta Sabedoria é a verdade interna, oculta e

espiritual, que sustenta todas as formas externas da religião e seu pensamento fundamental é a crença

de que o Universo é, em sua essência, espiritual; que o homem é um ser espiritual em estado de

evolução e desenvolvimento e que a humanidade pode progredir na via da evolução através do

exercício físico, mental, espiritual adequados, fazendo-a desenvolver as faculdades e os poderes que a

tornarão capaz de ultrapassar o véu externo do que é chamado de matéria e passar a ter relações

conscientes com a Realidade fundamental. A grande ideia, que serve de base para a Teosofia, é a

Fraternidade universal e esta se encontra fundamentada na unidade espiritual do homem. A Teosofia é

de uma só vez ciência, filosofia e religião e sua expressão externa é a Sociedade Teosófica.

Opostamente ao que muitos acreditam, a Teosofia não é uma nova religião; é, por assim dizer, a

síntese de todas as religiões, o corpo de verdades que constitui a base de todas elas. A Teosofia, em

sua modalidade atual, surgiu no mundo no ano de 1875, porém é em si mesma tão antiga quanto à

humanidade civilizada e pensadora. Foi conhecida por diversos nomes, que têm o mesmo significado,

tais como Brahma-vidyâ (Sabedoria Suprema), Para-vidyâ (Sabedoria Suprema) etc. O motivo especial

de sua nova proclamação em nossos dias foram os rápidos e perniciosos progressos do materialismo nas

nações propulsoras da civilização mundial. Por esta razão, os guardiões da Humanidade acharam

oportuno proclamar as antigas verdades numa nova forma adaptada à atitude e ao desenvolvimento

mental dos homens da época e, assim como antes foram reveladas uma após outra as religiões, segundo

a passagem de um a outro desenvolvimento nacional, assim, em nossos dias, as bases fundamentais de

todas as religiões tornaram a ser proclamadas, de modo que, sem privar nenhum país das vantagens

especiais que sua fé lhe proporciona, se deixará de ver que todas as religiões têm o mesmo significado

e que são ramos de uma mesma árvore. A Teosofia apresenta-se, além disso, como base de filosofia de

vida, porque possui vastíssimos conhecimentos sobre as grandes Hierarquias que preenchem o espaço;

dos agentes visíveis e invisíveis que nos rodeiam; da evolução ou reencarnação, através de cuja virtude

o mundo progride; da lei da casualidade ou da ação e reação, chamada karma; dos diversos mundos em

que o homem vive, semeia e colhe, etc., etc., conhecimentos que resolvem, do modo mais racional e

satisfatório, os árduos enigmas da vida, que sempre conturbaram o cérebro dos pensadores como

desalento de seu coração. No campo da ciência, abre novos caminhos ao conhecimento. A Teosofia

explica a vida, justifica as diferenças sociais entre homens e indica o meio para se retirar novos fatos

do inesgotável armazém da Natureza. A Teosofia fornece também normas fundamentais de conduta aplicáveis à vida humana e levanta grandes ideais, que comovem o pensamento e o sentimento, para

pouco a pouco redimir a humanidade da miséria, da aflição e do pecado, que são frutos da ignorância,

causa de todo o mal. A dor e a miséria desaparecerão completamente de nossa vida quando soubermos

trocar a ignorância pelo conhecimento. Ante a Sabedoria nossas tribulações se desvanecerão, porque o

gozo é peculiar e inerente à natureza íntima de que todos dela procedemos e a ela temos de voltar. A

Teosofia, finalmente, não impõe qualquer dogma, nem força ninguém a acreditar cegamente nas

verdades que ensina, mas faz outra coisa imensamente melhor: coloca o homem disposto a isso em

condições de perceber diretamente, por si mesmo, tais verdades através do desenvolvimento de sua

natureza espiritual, e com ela, o desenvolvimento de certas faculdades internas latentes na

generalidade da espécie humana, que lhe permitem conhecer o mundo espiritual e as relações do

homem com a Divindade. Pelo conhecimento íntimo de si mesmo, o homem se torna capaz de conhecer

a Vida universal e suprema, uma vez que o Espírito humano é uma parte do Espírito universal

(DEUS)...”

No Livro “A Vida Oculta e Mística de Jesus” de A. Leterre (Ed. Madras – 2004), encontramos logo

no início de tal obra, em sua “Introdução” e “Explanação”, textos que demonstram estas “igualdades”

e “coincidências” entre as religiões, mostrando alguns elementos que foram claramente apropriados. O

que choca é que muito raramente uma religião “dá o braço a torcer” sobre que tal valor ter sido

“importado” de outra cultura ou culto religioso, já que a prática comum entre religiões é diminuir a

outra, e quando não até chegam ao ponto de “demoniza-la” fazendo com que seus fiéis creiam que as

divindades alheias são “demônios”.

Vejamos algumas passagens da “Introdução” e “Explanação” desta obra impar para o estudo das

religiões:

Gênese das Religiões

Admitimos por um momento que o nosso benévolo leitor, seja ele de que culto ou crença for,

tivesse de fazer, como missionário, uma grande excursão pelos sertões de Mato Grosso.

Chegado a um ponto das ínvias selvas, depara-se com uma tribo de selvagens ocupada em render

preito e homenagem a uma entidade abstrata, que ela reconhece como Superior e como Criadora de

tudo quanto a cerca.

Essa entidade, ou anteriormente esse Deus, é representada por um boneco de barro

exoticamente fabricado ou por um tronco de árvore cercado por enormes fogueiras, como as piras dos

antigos templos, em volta das quais os silvícolas executam uma frenética dança ao som de flautas de

bambu, acompanhada de estridentes berros à guisa de hinos maviosos.

Que fará nosso missionário?

Certamente procurará, com tempo e jeito, convencê-los de que laboram em erro e de que o

verdadeiro Deus é aquele que ele mesmo adora, seja Jeová, Alá, Buda ou o Cristo do Calvário.

É possível que, convencidos de que o estúpido boneco nada represente, eles passem a adotar o

símbolo do nosso incansável missionário.

Admitamos, porém, que outros missionários, de credos diferentes, venham também a passar por

ali, sucessivamente, com intervalos assaz suficientes para dar tempo a que a nova crença se enraíze em

seus pobres cérebros.

Que sucederá?

Sucederá que, ao cabo de alguns anos, digamos mesmo, de alguns séculos, essa tribo terá mudado

várias vezes o modo de compreender esse Deus.

Mas não se segue daí que toda a tribo, sem exceção de uma só alma, tenha permanecido fiel a

cada crença que foi sucedida, e isso com unânime aprovação.É indubitável, dada a diversidade de mentalidades, que tenham surgido certas divergências no

modo de encarar esse Deus e seus atributos, ou mesmo na maneira de cultuá-lo nas sucessivas crenças,

resultando dali, então, as exegeses e os cismas que acabaram por dividir esses cultos em outros tantos

cultos ou seitas contrários e inimigos, a ponto de se odiarem de morte.

É exatamente o resultado verificado hoje na face desse pobre giroscópio.

Os primitivos povoadores da Terra sentiram que tudo quanto viam devia ser o produto de uma

força superior e inteligente e começaram, então, na opinião de alguns historiadores, a simbolizar essa

força, já com um disco representando o Sol, como fonte de vida material, já com um tronco de árvore,

de onde foram surgindo os esteios da cabana que se transformaram em coluna do Templo etc.

Pela observação e pelo estudo da natureza, movidos pelas necessidades vitais, as indústrias

foram sendo criadas, as artes nasceram, a ciência se manifestou, até se condensar em Academia.

Revelação

Foi então que a Religião fora revelada aos mais puros, nascendo dali o Templo, pois a Religião é o

suspiro do homem, cuja resposta vem do céu e não da Terra.

Que tivesse havido esta Revelação, está isso sobejamente confirmado por todas as religiões do

mundo.

Dupuis não crê na revelação, pois, segundo ele, só a razão humana é que tudo definiu; mas ele

não reflete que essa Razão, que não é criação do homem, mas sim da Razão Suprema, que lhe deu em

igualdade de grau para raciocinar e tirar conclusões justas e força de comparações, estudos e

experiências, é que constitui, de fato, a Revelação Divina, seja por inspiração ou suposto acaso.

No Manavadarma foi a Krishna; nos Vedas, a Buda; no Zenda-Avesta, a Zoroastro; nos livros

Herméticos, a Hermes; nos Kings, da China, a Fo-Hi, a Lao-Tsé, a Confúcio; no Pentateuco, a Moisés; no

Alcorão, a Maomé; no Livro de Jó, ao Pontífice Jó; nos Evangelhos, a Jesus.

Todos eles afirmam terem recebido a verdade, de Deus mesmo, como a expressão dos seus

divinos decretos.

Confúcio, príncipe regente, repudiou tudo para dedicar-se ao sacerdócio, quando, aos 50 anos,

recebia essa revelação.

Daí a razão de ser Religião a Síntese da Ciência e não o contrário, o que seria absurdo.

Charles Norman, sábio astrônomo do Observatório de Paris, sintetiza admiravelmente essa

Revelação em poucas palavras:

“Na verdade, parece que nada manifesta a presença mística do divino, tanto quanto esta eterna

e inflexível harmonia que liga aos fenômenos expressos por leis científicas.

A ciência que nos mostra o vasto Universo, concreto, coerente, harmônico, misteriosamente

unido, organizado como uma vasta e muda sinfonia, dominada pela lei e não por vontades particulares,

a ciência, em suma, não será uma revelação?”

É certo, e isso não pode sofrer a mais leve refutação, que a crença monoteísta, isto é, a de um só

Deus Criador e Todo Poderoso, existiu desde uma antiguidade pré-histórica e descrita nos livros

anteriormente citados, sendo de notar que os Sastras (Livros Sagrados da Índia) são anteriores de 1.500

anos aos Vedas que, por sua vez, têm mais de 6.000 anos.

Nos Vedas lê-se o seguinte:

“Deus é aquele que sempre foi; Ele criou tudo quanto existe; uma esfera perfeita, sem começo

nem fim, é sua franca imagem. Deus anima e governa toda a criação pela providência geral dos seus

Princípios invariáveis e eternos. Não sonde a natureza da existência daquele que sempre foi; esta

pesquisa é vã e criminosa. Basta que, dia a dia, noite a noite, suas obras manifestem sua sabedoria,

seu poder e sua misericórdia. Trata de tirar proveito disso”.

O Rei da Babilônia, Nabucodonosor, orava do seguinte modo: “Criador por ti, Senhor, eu te abençoo, tu me deste o poder de reinar sobre os povos segundo tua

bondade. Constitui, pois, teu Reinado; impõe a todos os homens a adoração do teu nome. Senhor dos

povos, ouve minhas preces. Que todas as raças terrestres venham às Portas de Deus” (Babilu

=Babilônia).

Nos antigos livros da China (nos Kings) encontra-se o seguinte, transcrito pelo imperador Kang-ki

e compilado por du Halde, p.41, da edição de Amsterdã:

“Ele não teve começo nem terá fim. Ele produziu todas as coisas desde o começo; Ele é quem

governa como verdadeiro Senhor; Ele é infinitamente bom e infinitamente justo; Ele ilumina, sustenta

e regula tudo com suprema autoridade e soberana justiça”.

“Se olharmos os olhos negros dos chineses, diz Max Muller, acharemos que ali também há uma

alma que corresponde a de outras almas, e que o Deus que ele tem em mente é o mesmo que nos

empolga o espírito, apesar do embaraço da sua linguagem religiosa”.

Os druidas (Sacerdotes Celtas) diziam que Deus é por demais incomensurável para ser

representado por imagens fabricadas por mãos de homens, e que seu culto não pode ser prestado entre

muralhas de um templo; mas, sim, no santuário da natureza sob a ramagem das árvores ou nas

margens do vasto oceano.

Para os druidas, o símbolo da Vida e da Luz era representado pelo termo ESUS (Definição de Leon

Denis – Le Génie Celtique et le Monde Invisible).

Há neste termo uma curiosa aparência de analogia com o nome que pretendemos estudar neste

ensaio.

O Deus dos druidas era Be-il, de onde o Ba-al da Caldeia, ao qual juntaram Teutalés, similar de

Thot -Hermes do Egito.

Foi São Judicael quem no século VII aboliu o Druidismo que ainda existia confinado nas florestas

da Brocelianda.

No Tibet, segundo o padre Huc, os Lamas dizem que:

“Buda é o ser necessário, independente, princípio e fim de tudo. É o Verbo, a Palavra. A Terra,

os astros, os homens e tudo quanto existe são uma manifestação parcial e temporária de Buda. Tudo

foi criado por Buda, no sentido de tudo dele como a luz vem do Sol. Todos os seres emanados de Buda

tiveram um começo e terão um fim; mas, assim como eles saíram necessariamente da Essência

Universal, eles terão de ser reintegrados. É como os rios e as cachoeiras produzidos pelas águas do mar

que, após um percurso mais ou menos longo, vão novamente perder-se na sua imensidade. Assim, Buda

é eterno; suas manifestações também são eternas”.

Lê-se no Livro dos Mortos do Antigo Egito:

“Eu sou aquele que existia no Nada; eu sou o que cria; eu sou aquele que se criara por si próprio.

Eu sou ontem e conheço amanhã, sempre e nunca”.

O Templo de Sais, antiga cidade do baixo Egito, trazia gravado em seu frontispício:

“Eu sou tudo que foi, que é e que será, e nenhum mortal jamais levantou o véu que me

encobre”. Era o “Deus Desconhecido”.

No México, em 1431, o rei Netzahualcóyotl que, quando criança, havia escapado milagrosamente

da degolação dos filhos machos, como sucedeu a Moisés, a Jesus e a outros reformadores, conforme

veremos mais adiante, mandou construir templos, sendo o mais belo dedicado ao “Deus Desconhecido”.

Dizia ele que os ídolos de pedra e de madeira, se não podem ouvir nem sentir, ainda menos poderiam

criar o céu, a Terra e os homens, os quais devem ser obra de um Deus Desconhecido, todo-poderoso,

em quem confiava para sua salvação e seu auxílio.

Esse Deus Desconhecido do México deve ser o mesmo Deus Desconhecido que Paulo encontrou em

Atenas, conforme se vê em Atos XVI, 23.O Ser Supremo dos Astecas era denominado Teotl; era impessoal e impersonificável; dele

dependia a existência humana. Era a divindade de absoluta perfeição e pureza em quem se encontra

defesa segura.

Nos Livros de Hermes, escritos há mais de 6 mil anos, encontra-se o seguinte diálogo tido com

Thoth, que bem define o espírito moral e intelectual daquelas eras:

“É difícil ao pensamento conceber Deus e à língua de exprimi-lo. Não se pode descrever uma

coisa imaterial por meios materiais; o que é eterno não se alia, senão dificilmente, ao que está sujeito

ao tempo. Um passa, outro existe sempre. Um é uma percepção do espírito, e outro uma realidade. O

que pode ser concebido pelos olhos e pelos sentidos como os corpos visíveis pode ser traduzido pela

linguagem; o que é incorpóreo, invisível, imaterial, sem forma, não pode ser conhecido pelos nossos

sentidos. Compreendo, pois, Thoth, que Deus é inefável”.

Nos mesmos Livros lê-se também o seguinte:

“Desconhecendo nossas ciências e nossa civilização, as gerações futuras dirão que adoramos

astros, planetas e animais, quando, de fato, adoramos um só Deus Criador e Onipotente”.

Na antiga Pérsia, Zoroastro chamava-o de Mitra, o Deus Criador, sendo Orzmud, o Pai.

No Egito era Osíris.

Na Fenícia era Adonis.

Na Arábia era Baco.

Na Frigia era Athis.

Moisés denominou-o de Jeová, por assim lhe ter declarado o próprio Deus.

Maomé adora-o sob o nome de Alá.

Orfeu, o criador da Mitologia grega, considerado por isso, pelos católicos, como o chefe do

paganismo, assim se exprime, segundo Justino, o Mártir em sua obra órfica:

“Tendo olhado o logos divino, assenta-te perto dele, dirigindo o esquife inteligente do teu

coração e galga bem o caminho e considera somente o Rei do Mundo. Ele é único, nascido de si mesmo,

e tudo vem de um só Ser”. E, como veremos mais adiante, Orfeu conhecia a trindade divina.

Na obra de Apuleio, Metamorfoses, XI, 4, escrita no século II da nossa era, Ísis, a deusa egípcia,

declara que ela é a própria divinizada.

Diz ela:

“Eu sou a Natureza, mãe das coisas, senhora de todos os elementos, origem e princípio dos

séculos, suprema divindade, rainha das Manes, primeira entre os habitantes do céu, tipo uniforme dos

deuses e das deusas. Sou eu cuja vontade governa os cimos luminosos do céu, as brisas salubres do

oceano, o silêncio lúgubre dos infernos, potência única, sou pelo Universo inteiro adorada sob várias

formas, em diversas cerimônias, com 1.000 nomes diferentes.

Os Frígios, primeiros habitantes da Terra, me chamam de Deusa - mãe de Pessinonte; os

Atenienses autóctones me nomeiam Minerva, a Cecropana; entre os habitantes da ilha de Chipre, sou

Vênus de Pafos; entre os Cretenses, armador de arco, sou Diana Dichina; entre os Sicilianos que falam

três línguas, sou Prosérpina, a utigiana; entro os habitantes de Elêusis, a antiga Ceres, uns me chamam

Juno, outros Belone, aqui Hécate, acolá a deusa de Ramonte. Mas, aqueles, que foram os primeiros

iluminados pelos raios do Sol nascente, os povos Etiópicos, Arianos, e Egípcios, poderosos pelo antigo

saber, estes, sós, me rendem um verdadeiro culto e me chamam, pelo meu verdadeiro nome: a rainha

Ísis”.

Todos os milhares de tribos da África, tanto as do litoral como as das regiões centrais, algumas

de difícil contato entre si e ainda menos com o europeu, adoram um Deus Supremo Criador,

Onisciente, Misericordioso e sumamente bom, por isso nunca faz mal à sua criatura, razão pela qual

não lhe prestam nenhum culto, nem lhe dirigem preces, nem procedem a sacrifícios de animais em

holocausto.“Para definir Deus seria preciso empregar uma língua cujas palavras não pudessem ser aplicáveis

às criaturas terrenas”.

Os povos da Antiguidade, como ainda hoje os da Índia, do Egito, da China, eram e são

profundamente religiosos, e seus atos foram e são pautados por uma incomparável moral.

Não é, pois, possível, tachar-se esses homens ou esses povos de bárbaros, pagãos, ateus ou

idólatras sem confessar má-fé ou falta de erudição e, portanto, incompetência para a crítica científica

e histórica; e, se fanático possa haver, é decerto aquele que o fizer.

Diz Max Muller:

“Há pessoas que, por pura ignorância das antigas religiões da humanidade, adotaram uma

doutrina, menos Cristã, certamente, que todas as que se encontram nas religiões antigas. Essa

doutrina consiste em considerar todos os povos da Terra, antes do advento do Cristianismo, como ateus

e condenados pelo Pai Celeste, que eles não conheceram, e, portanto, sem esperança de Salvação!”

A única base teológica propriamente dita da Teologia Cristã reside nos primeiros versículos de

João que são copiados da Teologia pagã.

As ideias dos cristãos são as de Platão, o qual, por seu turno, as bebeu nas filosofias antigas do

Egito, de Orfeu, Pitágoras etc.

Santo Agostinho, doutor da Igreja Católica, reconhece que se encontram em todos os povos do

mundo as mesmas ideias que tinham os cristãos sobre Deus, sejam eles platônicos, pitagóricos,

atlantas, líbios, egípcios, indianos, persas, caldaicos, scytas, gauleses, espanhóis etc.; todos possuíam

os mesmos princípios teológicos e dividiam igualmente a divindade em três partes. Ele reconhecia que

os princípios de Platão e Moisés são idênticos, por terem ambos estudado no Egito, nas obras de

Hermes Trismegisto.

Ainda explorando o que uma religião absorve das outras religiões para poder nascer, pois esta é a

única forma de nascer, é preciso ter genitores como Pai e Mãe, também parentes como tios, avós,

bisavós, tataravôs e outros que estão na origem das origens de cada religião, que em muitas vezes

podem até remontar a uma origem comum, como é o caso claro e clássico do Judaísmo, Cristianismo e

Islamismo.

Em algumas religiões a influência, o sincretismo ou o plágio religioso é mais claro que em outras,

muitas vezes não houve a preocupação em adaptar velhas informações a uma nova realidade, nova

religião, o que facilita a identificação dos valores herdados, absorvidos ou suprimidos. É fato e não há

outro caminho pois: “Nada se cria do Nada”, Apenas Deus cria do Nada, no entanto em algum momento

temos a certeza de que por mais inspiração que haja em religião, para o seu nascedouro e manutenção,

sua realização e concretização é obra humana.

No Catolicismo, com um pouco de estudo e pesquisa se torna muito fácil identificar estes

elementos, apenas nos surpreende que nenhuma destas religiões reconhecem que seus valores não são

seus originalmente, é de praxe, um costume até, a crítica indistinta a todos os valores que venham de

outra religião, esquecendo-se de que quando se diz que Deus é um só, logo o Deus do outro é o meu

Deus é o único Deus de todos que adoram a um Deus único. No entanto, quando temos mais de uma

pessoa como observador já não há apenas um ponto de vista.

No livro “Maçonaria – Escola de Mistérios” do autor Wagner Veneziani Costa (Editora Madras –

2006), encontramos um ótimo texto sobre este assunto, com o título de O Plágio Católico, como vemos

abaixo:

Pecado original, venial ou capital, batismo, confissão, comunhão, céu, purgatório e inferno (...)

tudo isso foi adaptação feita pelos bispos romanos, que beberam de crenças básicas das religiões

antigas, chamadas de pagãs. Pagão vem de paganu, o homem do campo que não possuía religião

alguma. Esses campônios serviam de intermediários entre o campo e a cidade e professavam vários credos orientais, fazendo com que o Catolicismo bebesse seus dogmas e ritos. A própria missa também

é uma adaptação de cerimônias da Etiópia, do Egito e, ainda hoje, das ilhas da Oceania.

O báculo, a mitra, a dalmática, o pluvial, o ofício dos dois choros, a salmodia, o exorcismo, o

incensório suspenso por cinco correntes, podendo abrir-se ou fechar-se à vontade, as bênçãos dadas

com as palmas da mão direita sobre a cabeça dos fiéis, o rosário, o celibato eclesiástico, os retiros

espirituais, os cultos dos santos, o jejum, as procissões, as litanias, a água benta, a consagração do pão

e do vinho ofertados ao Criador, a extrema-unção, as rezas para os doentes e para os mortos, a

manutenção dos mosteiros que honram sua religião, as missões de proselitismo feitas por missionários

descalços e desprovidos de dinheiro, tudo isso foi retirado do culto lamaico do Tibete, uma modalidade

do Budismo hindu. O ritual, o cerimonial, o aparelhamento católico, nada mais são do que cópias de

religiões orientais e do Paganismo, até se sentirem bem fortes para persegui-los em dezenas de

sanguinolentas cruzadas, como hereges.

As medalhinhas de santos e santas são imitações do escaravelho da medalha egípcia hieroglífica.

Lembremos que Moisés, Jesus e outros fundadores de religiões eram TOTALMENTE CONTRA a

idolatria; no entanto, a Igreja Católica faz disso seu maior comércio, colocando a cruz como tabuleta

de reclame.

Como coisa rendosa para seus cofres, o Vaticano não faz outra coisa senão canonizar santos e

santas, e isso aos centos, de uma vez, para economizar cera!

A religião de Cristo também foi fundada como todas as demais, sob o culto do Sol, recebendo as

mesmas ideias, as mesmas práticas, os mesmos Mistérios: LUZ E TREVAS (João 1: 5).

Todas as festas do Catolicismo têm semelhança com as do Paganismo.

E o que fizeram os santos bispos e papas (que são representantes legais do Cristo)? Além de

copiarem, começaram a deturpar as palavras latinas usadas nas festas pagãs! Vejam alguns exemplos:

Os pagãos adoravam Baco, conhecido pelos latinos como Líber. Celebravam duas festas, uma

chamada urbana, na cidade, e a outra, rústica, nos campos. Para honrar o rei da Macedônia – Demétrio

– acrescentaram mais uma, como veremos:

Demétrio tinha sua corte no Golfo de Tessalônica. Pois bem, desse rei fizeram um mártir desse

golfo, no ano 303, e o canonizaram como São Demétrio.

Eleutério, que estabeleceu essas festas com denominação de Festim Dionísio, Festim Eleutério,

Festim Rusticum, passou a ser Santo Eleutério, e as festas passaram a chamar-se São Diniz, Santo

Eleutério e Santa Rústica!

O deus Baco tinha uma amante chamada Aura, e o vento plácido personificava a doçura. Desses

termos, fizeram Santa Aura e Santa Plácida!

Os pagãos felicitavam-se com os termos perpetuum, felicitatum; os católicos fizeram disso Santa

Perpétua e Santa Felicidade!

No Ano-Novo eles usavam a fórmula: Quid Faustum Felixque sit; os católicos transformaram isso

em São Fausto e São Félix!

Das palavras Rogare e Donare fabricaram São Rogaciano e São Donaciano!

De Gobineau diz que “a ignorância e mesmo a política apostólica contribuíram para agravar a

devoção rústica. Via-se Júpiter com Thor transformado em São Pedro; Apolo, em São Miguel; Wodan ou

Marte, em São Martinho; as mães célticas tornaram-se as três Santas Marias; Ísis, a virgem que deve

engendrar, assimilada à mãe de Cristo; e, a coisa mais estranha, Buda colocado nos altares cristãos

com o nome de São Josafá!

Citando Henri Estienne, apologista do Catolicismo, lê-se:

“Há grande conformidade em várias coisas entre os deuses dos pagãos e São Bento, entre as

deusas e suas sonatas; não há conformidade da parte dos verdadeiros santos e santas, a fim de que

meu dito não seja caluniado; mas sim por parte de seus adoradores. Se bem considerarmos a adoração dos deuses e das deusas pelos pagãos, e a adoração dos santos e santas pelos da religião romana,

acharemos completa semelhança, afora o modo de sacrificar. E, assim, do mesmo modo os pagãos se

dirigiram a Apolo ou a Esculápio, fazendo desses deuses da profissão de medicina e de cirurgia.

Católicos não se dirigem também a São Cosme e a São Damião?

E Santo Elói, o santo dos ferreiros, não ocupará a mesma função do deus Vulcano?

E São Jorge, não dão a ele, os católicos, o título que se dava outrora a Marte?

A São Nicolau, não fazem eles a mesma honra que os pagãos faziam ao deus Netuno?

São Pedro como porteiro não corresponderá ao deus Janus?

Por pouco eles fariam crer ao Anjo Gabriel que ele é o deus Mercúrio!

Pallas como deusa das ciências não estará representada em Santa Catarina?

E, em vez de Diana, não têm eles Santo Humberto, o santo dos caçadores?

Idêntico ofício é atribuído a Santo Estáquio.

E quando vestem João, o Batista com pele de leão, não será para ofender à vista o deus Hércules?

Não se vê comumente Santa Catarina com uma roda, como se quisessem representar a deusa da

fortuna?

Delfos decidia as questões religiosas fabricando deuses, como Roma fabricava santos”.

Ora, quem fala assim é um católico de quatro costados!

Qualquer turista pode constatar que na Capela Sistina do Vaticano, por ordem do papa e pelo

genial pincel de Michelângelo, veem-se ali agrupadas as sibilas do Paganismo com os profetas do

Catolicismo. É que, naquela época, a Igreja Católica ainda vivia dos ensinos dos invisíveis; invisíveis

estes que ainda se manifestam no Vaticano, como acontece com as aparições de Pio X, testemunhadas

pelos eclesiásticos ali residentes, de cujas inscrições têm-se conhecido aqui fora, apesar da expressa

proibição de Pio XI, de serem divulgados esses fenômenos.

Se perguntarmos a qualquer pessoa católica qual foi o grande chefe religioso que, segundo as

escrituras, nasceu de uma virgem, escapou da degolação dos inocentes, confundiu os sábios pela

precocidade de sua ciência, começou pregando aos 30 anos, foi tentado no deserto pelo Diabo,

expulsou demônios, deu vista aos cegos, realizou outros atos milagrosos e ensinou a existência de um

Deus supremo de luz, de verdade, de bondade, provavelmente essa pessoa responderá imediatamente:

Jesus Cristo, pois tal é o ensino dos livros sacros.

Mas se a mesma pergunta for feita para um persa, ele também responderia de imediato:

ZOROASTRO, pois assim foi a vida desse reformador e o ensino do Avesta que existiu milhares de anos

antes de Cristo.

Os maniqueístas têm bispos, patriarcas, anciãos, batismo, eucaristia, jejum, ofício com orações

cantadas, comemoração anual da morte do seu fundador – Mani –, tal como Cristo.

A Igreja Católica, pela pena de São João Damasceno, na lenda de Barlaão e Josafá, que também

foi copiada do Ramayana, no século XVII, e da qual La Fontaine fez a fábula dos Patos do Mano

Philippe, tomou a virtude búdica como modelo de santidade e, como tal, aceita e aprovada por

Gregório XIII, Xisto V, Urbano VIII, Alexandre VII e Pio IX. Tirou igualmente do Apólogo Búdico, por

parábolas e contos, fartos exemplos de moral que foram introduzidos nos seguintes livros da Igreja

Romana: Gesta Romanorum, Vida Sanctorum, Vida Patrum, Disciplina Clericales etc.

No rito xintoísta, verifica-se uma completa semelhança com o culto católico. Assim: benzer pedra

fundamental, consagrar casa nova, exorcismo para afastar o espírito da raposa, venda de amuletos,

água benta para a cura de doenças, assistência aos moribundos e preces ante o defunto, preces para

chover, preces para ganhar a vitória em combates, culto dos mortos etc.

Segundo sérios estudos, o Budismo foi escrito cerca de 1.300 anos antes de Cristo. É originado do

Bramanismo, religião de Rama (Ba-Rama, Brahma) e foi implantado na Índia, na Pérsia e no Egito, oriundo provavelmente da Atlântida, por se encontrarem vestígios na América, no México, no Norte

europeu e na própria África.

Mais ainda pode ser dito sobre a questão de sincretismo entre divindades ou entre culturas onde

uma absorve as divindades da outra, o que é uma necessidade quando tal divindade é muito popular.

Gostaria de lembrar algumas questões da cultura hindu, que é vastamente povoada por divindades,

onde aparece em sua história o episódio do povo Ária (Arianos) de pele branca que invadiu e dominou

uma região que era predominantemente ocupada pelo povo Drávda de pele negra. Os Arias trouxeram

toda uma cultura, trouxeram a escrita e com ela os textos sagrados dos vedas onde estão os

fundamentos e base de toda a religiosidade hindu. Encontramos nos vedas e também nos contos épicos

como Mahabharata e Ramayana, histórias, contos, lendas e mitos (mitologia) que envolvem todo um

panteão de divindades. O que é curioso neste panteão é a diversidade de apresentação destas

divindades. Acredita-se que esta diversidade pode ter sido ocasionada pela absorção da cultura drávida

pela ariana onde as divindades que trazem a forma animal podem ter sido de origem drávida, que seria

um povo mais xamãnico, mais ligado à terra e aos animais. O mesmo exemplo vemos na prática do

Yoga, que tem no Hata Yoga muitas posições identificadas com nomes de animais, como posição da

cobra (Bhujangásana), gafanhoto (Shalabhásana), peixe (Matsyásana), pavão (Mayurásana), leão

(Simhásana), e outras que traduzem um xamanismo drávida na busca do poder destes animais ou em

despertar todos estes animais interiores através das posturas, ássanas, que trabalham a energia,

potência e espiritualidade através da experiência advinda da prática. Pode-se ainda observar a variação

de tons de pele das divindades, lembrando que o homem costuma construir a divindade à sua imagem e

semelhança, encontramos Kali de pele negra, o que leva a crer de forma imediata na sua origem em

meio ao povo negro, conquistado, e sua permanência entre o povo conquistador dado suas qualidades e

atributos muito fortes, sem esquecer que o dominador não consegue expulsar totalmente o dominado,

surgindo sim uma raça que traz um tom de pele pardo, nem branco e nem negro, como uma cor de

tabaco, a cor do indiano. Muitos drávdas se refugiaram mais ao sul da índia onde sua cultura ancestral,

mágica e xamãnica é mais forte. Também encontramos Shiva e Krihsna com pele azul que diz respeito à

cor do céu que é Ele, no entanto muitos acreditam que este azul teria sido negro em outros tempos. A

intenção aqui é mostrar como este processo passa a ser algo natural em religião e uma tendência entre

culturas.

Inclusive os fundamentos mais marcantes de uma religião passa a predominar na outra, como a

ideia de trindade que entre os cristãos passou a ser:

1. PAI

2. FILHO

3. ESPIRITO SANTO

Aqui os três têm conotação masculina, como é a Igreja Cristã Romana, que na falta de uma mãe

na trindade exaltou estas qualidades em Maria, quando percebeu que estava perdendo muito em

qualidade por extirpar o arquétipo feminino, tão importante quanto o masculino.

A questão que se torna interessante é que no cristianismo primitivo o Espírito Santo era

considerado feminino, assim como no Judaísmo é presente esta visão em Shekná, o lado feminino de

Deus.

Logo a trindade seria Pai, Filho e Mãe exatamente como nos panteões chamados pagãos, como:

Pai Céu, Mãe Terra e filho homem, semideus ou uma divindade.

Na cultura grega:

Zeus, Hera e Apolo.

Na cultura Romana:Júpiter, Juno e Febo.

Na cultura Egípcia:

Osíris, Isis e Hórus

Na cultura Hindu:

Shiva, Parvati e Ganesha

Ainda na cultura Hindu encontra-se a trimurti composta por Brama, Vishnu e Shiva, três

divindades masculinas que se completam com sua “contraparte feminina” Sarasvati, Lakshimi e Parvati.

Na cultura nativa:

Sol, Lua e o homem.

Em todas as culturas encontraremos esta trindade, que foi absorvida e adaptada ao cristianismo.

Podemos ainda falar dos vários textos bíblicos do Antigo Testamento, que são nada mais que traduções

ou adaptações de textos sumerianos, babilônicos, fenícios, acadianos e outros como a história do

dilúvio, dos anjos, os dez mandamentos e outros.

Também encontraremos a mesma ocorrência no Novo Testamento onde a virgindade de Maria é

como a da mãe de Krihsna que tem nascimento, vida e até o nome muito parecidos com o do Cristo.

Mitos são tão fortes que se constroem e se renovam para as religiões, como o mito do salvador que dá

sua vida por nós ou pela causa maior, o mito do herói que vai à guerra, o mito do humilde que

transcende o sofrimento, o mito do perseguido e caluniado, o mito do grande Pai ou da Deusa. Mitos se

repetem e constroem o perfil e o caráter de uma sociedade. Mitos são de vital importância, mesmo que

Jesus tenha existido e sua vida seja o que está relatado na Bíblia, nunca deixará de ser um mito muitas

vezes antes repetido em outras culturas com outros nomes.

A Bíblia não é um livro de história, é um livro de sentido religioso, material teológico, apenas um

fundamentalista lê seus textos como se fossem fatos históricos ou a verdade última escrita diretamente

por Deus. Embora seja fato a presença de Mitos e Lendas entre alguns fatos históricos. Sem falar dos

interesses políticos das instituições religiosas que manipulam informações e trabalham muito bem a

questão do mito e arquétipo, para manter seu rebanho sob controle. As grandes religiões sabem que o

homem é carente de um salvador, carente de uma força maior, carente de amor, carente de

autoestima e claro carente de heróis, e muitas vezes todos estes atrativos são manipulados. Aqui entra

o lado humano que não tem limites de escrúpulo, ética ou bom senso.

Só este assunto daria um ótimo livro de interesse de todos nós estudiosos e pesquisadores da

teologia, teogonia, religiosidade, religião, mitologia, espiritualidade e afins, como uma “Ciência

Divina”, que em muitas vezes não passa de uma “Divina Comédia”, como diria o não menos erudito

Dante Aligueri, que também nos deixa um legado que pode ser incluso neste campo de comparações

com muito êxito.

Na cultura chinesa também podemos citar que da influência do Taoísmo sob o Budismo nasceu o

que chamamos de Zen-Budismo, onde filosoficamente está presente muitos conceitos do Taoismo.

Para muitos a cultura Africana de Orixás pode ser uma adaptação da cultura Africana Egípcia, ou

seja, muitos creem que sendo mais antiga a Cultura Egípcia pode ter dado origem à Nagô-Yorubá, no

culto de Orixá que trás muitas semelhanças entre as divindades, o que pode ser conferido no capítulo

sobre as divindades.

Seria ainda curioso ressaltar as coincidências e semelhanças das pirâmides Maias e Egípcias.

A Esfinge Egípcia se aproxima muito da ideia de Querubim, na cultura Judaica, onde ele não tem a

forma de uma criança e sim de animais como o Touro, a Águia ou o Leão entre outros.

Isto sem repetir que as divindades de um panteão se tornam “demônios” facilmente na cultura de

uma nova religião que domine a esta com intuitos destrutivos.

Um exemplo fácil é a Divindade Mãe Sumeriana Astarte que se tornou o demônio Astoré. Ou

mesmo a perseguição atual de alguns grupos fanáticos que insistem em chamar de “demônios” as divindades alheias e entidades guias, espíritos que militam em outras religiões. Como os Orixás da

Umbanda e do Candomblé ou mesmo a Exu Tranca Ruas que é um protetor na religião de Umbanda e é

chamado de, você sabe o quê, entre grupos de fanáticos que mais falam do “tinhoso” (“capeta”, “coisa

ruim”, “chifrudo”...) do que de Deus. E assim caminha a humanidade dentro das culturas e doutrinas

religiosas, nas quais nada se cria e tudo se copia, ou melhor, se transforma.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Pesquisar este blog