Nesse espaço

Textos psicografados, romance, Umbanda, Espiritismo compõem a tônica do A Alma das Coisas.
By
Annapon ( escritora e blogueira )

Romance Mediúnico

A Missão das Quatro Estações

Olá amigos leitores do "A Alma das Coisas"! O blog está com uma novidade, romance mediúnico totalmente gratuito. Esse é mai...

quarta-feira, 16 de abril de 2014

O que é o sacrifício animal? Por Alexandre Cumino



O que é o sacrifício animal?
Por Alexandre Cumino

O sacrifício animal é um ato sagrado e ritual em que, primeiro, deve-se reconhecer e aceitar o fato de que somos carnívoros e nos alimentamos de carne animal. A partir do momento em que conscientiza-se de que alguém mata animais para você se alimentar, então deve-se tomar conhecimento do porquê estes animais morrem. Depois, busca-se uma consciência da vida que se vai, para manter sua vida e, neste ínterim, eleva-se o pensamento a Deus para entender este processo e até onde é natural comer carne. Você deve agradecer ao animal que "dá", ou melhor, perde sua vida, para você manter a sua. Então eleva-se novamente o pensamento a Deus e busca-se uma comunhão com o sagrado neste ato ritual.
É uma grande hipocrisia um carnívoro criticar o sacrifício animal. Sacrifício é um sacro ofício, um ofício sagrado, algo milenar que vem de um tempo em que o homem não tinha nada de valor além da sua família, sua comida e sua fé. Com pouquíssimo conhecimento sobre si mesmo e sobre a vida, tudo era creditado na fé com suas crenças e superstições. A única coisa que este homem tinha para ofertar para Deus era a sua comida, ou seja, a carne compartilhada para a família seria também compartilhada com Deus, tornando aquele momento sagrado, para que a morte do animal não fosse em vão e claro para que não faltasse alimento na mesa. Da mesma forma, quando o homem se torna agricultor, ele vai compartilhar a terra e o fruto da terra com Deus por meio de oferendas com os elementos vegetais colhidos, como uma primeira porção de cada colheita oferecida para a deidade relacionada. Também era comum oferecer algo para a terra, como, por exemplo, oferecer o leite no sentido de agradar à divindade terra, independente de seu nome (Geia, Gaia e etc.) ou de sua cultura. Com o tempo, surgiu a moeda e, então, o homem começou a ofertar para Deus uma parte do seu dinheiro como fruto de seu trabalho. Mas este dinheiro, que faz parte de uma sociedade mais organizada, acaba sendo entregue para “Deus” na mão de um sacerdote, que deverá empregá-lo na manutenção da propriedade de Deus (Templo), de sua obra, como ações para a comunidade, e claro para o sustento de seu “zelador”, o sacerdote.
O sacrifício animal é feito por Judeus, muçulmanos, hindus, candomblecistas e demais adeptos de cultos afros.
Na Umbanda não é fundamento e, portanto, não é comum e nem obrigatório o sacrifício animal. Boa parte dos umbandistas nunca fez um sacrifício animal. Apenas os umbandistas que carregam maior influência dos cultos de nação afro-brasileiros é que praticam o sacrifício animal. A prática da Umbanda, feita com fundamentos dos Cultos de Nação Afro ou Candomblé, é chamada de Umbanda Mista, Umbanda Trançada, Umbanda de Angola, Umbanda Omolocô, Umbandomblé e etc.
Quanto a oferecer um "bife", corações de frango ou de boi, é apenas tirar um pouco da comida de seu prato para oferecer a uma entidade que irá manipular aquele elemento em seu favor. Isto é mais comum em algumas oferendas para entidades da esquerda (Exu, Pombagira e Exu Mirim).
O sacrifício animal não é, por si só, magia negativa. Quando praticado em seu fundamento, deve ser rápido e o mais indolor possível, realizado em ambiente e contexto sagrado, de amor e reverência. Em magia negativa, se explora o sofrimento do animal para projetá-lo em alguém, se tira o sangue para abrir portais negativos. Logo, deve-se sempre pensar e conhecer antes de pré-julgar.
Aos que são radicalmente contra o sacrifício animal eu recomendo que tornem-se vegetarianos, visitem um matadouro, conheçam as drogas e hormônios que são injetados nos amimais de carne vermelha e branca. Conheça mais profundamente o assunto e lembre-se: tudo o que é alimento pode ser colocado em comunhão com o sagrado, dependendo apenas da tradição, método e contexto em que está.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Pesquisar este blog