Nesse espaço

Textos psicografados, romance, Umbanda, Espiritismo compõem a tônica do A Alma das Coisas.
By
Annapon ( escritora e blogueira )

Romance Mediúnico

A Missão das Quatro Estações

Olá amigos leitores do "A Alma das Coisas"! O blog está com uma novidade, romance mediúnico totalmente gratuito. Esse é mai...

domingo, 2 de setembro de 2012

A Umbanda é Monoteista



A Umbanda é Monoteista

Por Rubens Saraceni


MONOTEÍSMO: Sistema que admite a existência de um Deus único
MONOTEÍSTA: Que adora um só Deus.
Já vem de alguns milhares de anos uma discussão sem fim, usada pelos seguidores do filo religioso judaico-cristão-islamita para convencer a humanidade de que, religiosamente são os únicos adoradores do Deus único e verdadeiro. E que os seguidores das outras religiões são adoradores de deuses “pagãos”, de “demônios”, de “falsos deuses” de “ídolos de pedras”, etc.
As assacadas pejorativas são tantas que não vamos perder tempo com elas, e sim, comentaremos o monoteísmo umbandista.
O fato é que, em se tratando de religião, a “disputa” pela primazia é acirrada e a “concorrência” é desleal e antiética porque cada uma se apresenta como a verdadeira religião e atribui às outras a condição de “falsas religiões”, enganadoras da boa fé, etc.
Já demonstramos em outras ocasiões que as religiões não são fundadas por Deus e sim por homens, certo? Portanto, todas são discutíveis ou questionáveis pelos seguidores de uma contra as outras.
Esse embate sempre existiu e tem servido para os mais diversos fins, entre eles, o de dominar a mente e a consciência do maior número de pessoas possível; de expansão do poder político; de expansão econômica; territorial, militar, etc.
Fato esse, que tem levado pessoas tidas como religiosas ou “santas” a induzirem seus seguidores no sentido de cometerem terríveis atrocidades e genocídios. Isto é História com H maiúsculo mesmo! Essa realidade tem levado muitas pessoas observadoras desses acontecimentos a optarem pelo ateísmo ou pela abstinência religiosa.
Cientes de que os “interesses pessoais” muitas vezes sobrepõe-se sobre a religiosidade das pessoas, não devemos influenciar-nos pelo que os seguidores de outras religiões dizem sobre a nossa e devemos relegar suas críticas, calúnias e difamações à vala comum dos desequilibrados no sentido da fé, pois o mesmo Deus que nos criou também criou os vermes, os fungos e as bactérias decompositoras que devoram o corpo dos que desencarnam, sejam eles seguidores de uma ou outra religião ou sejam ateístas.
Deus está acima das picuinhas entre seguidores das muitas religiões e nós temos que discernir o Deus verdadeiro dos que dele se apossam e passam a usá-lo em beneficio próprio e com o propósito de enfraquecer as religiões e as religiosidades alheias.
Esses procedimentos mesquinhos são típicos dos seres desequilibrados no sentido da fé e não devemos dar-lhes ouvido, e muito menos atenção.
Devemos sim é demonstrar que estão errados, assim como que pouco sabem sobre Deus e não estão aptos a discuti-lo ou questionarem a fé a religiosidade alheias.
QUEM, EM SÃ CONSCIÊNCIA, PODE AFIRMAR COMO É DEUS?
QUEM, RACIONALMENTE CONSCIENTE, PODERIA AFIRMAR QUE VIU DEUS?
Cremos que ninguém pode afirmar com convicção como Ele é, e que já o viu; ou mesmo que já tenha falado diretamente com Ele.
Mas, se isso é impossível porque Ele não tem forma, é invisível aos nossos olhos carnais e é inefável, é a nossa Fé que nos coloca em comunhão com Ele e dele recebemos seus eflúvios divinos que nos alteram, nos extasiam, nos inspiram e nos impulsionam no nosso virtuosismo e evolução espiritual.
Deus, entre muitas formas de descrevê-lo, também pode ser descrito como o estado divino da vida e da criação, fato esse que O torna presente em nós através da nossa “vida” e torna-se sensível através dos nossos mais elevados sentimentos de fé.
Isso, pessoas bondosas seguidoras de todas as religiões conseguem porque o sentem presente em suas vidas e com Ele interagem através dos sentimentos virtuosos. Deus tanto está em todos através do dom da vida, como com todos interage através dos sentimentos nobres e virtuosos.
E como isso não é propriedade de nenhuma religião, e sim algo que pertence à todos os que Nele crêem e agem de acordo com suas leis reguladoras da vida e seus princípios sustentadores do nosso caráter da moral, das virtudes, dos verdadeiros sentidos da vida.
Cada um, independente da religião que segue, sente e entende Deus ao seu modo e segundo sua percepção e seu estado de consciência.
Na Umbanda, todos os seus seguidores crêem na existência de Deus e não questionam a sua existência e nem o inferiorizam, colocando-o ao mesmo nível das divindades Orixás, e sim, o entendem e o situam como o divino criador Olorum, que tudo criou e que criou até os Sagrados Orixás.
O entendemos como a Origem de tudo e como o Sustentador de tudo o que criou e confiou a gover-nabilidade dos Sagrados Orixás, os governadores dos muitos aspectos da Criação e estados da Criação.
Acreditamos na exis-tência dos seres divinos e os entendemos como nossos superiores mas em nenhum momento os situamos acima do divino Criador Olorum, ou como iguais ou superiores a Ele. Na Umbanda, tudo é hierarquizado e muito bem definido, sendo que na origem e acima de tudo e de todos está Olorum, o supremo regente da criação, indescritível através de palavras e impossível de ser modelado em uma imagem porque não é um ser e sim um poder supremo que rege sobre tudo e todos, inclusive rege os Orixás divinos, também enten-didos como inefáveis. Porque são Ele, Olorum, já manifestado como suas qualidades divinas.
A hierarquização é total e só não a vê quem não estuda a Umbanda com uma visão abrangente.
SENÃO, VEJAMOS:
Olorum manifesta-se através das suas qualidades divinas. Em cada uma das suas qualidades Ele gera um Orixá, que por sua vez, traz em si todas as qualidades de Olorum e geram-nas em suas hierarquias divinas, naturais e espirituais.
Ou não é verdade que, por exemplo, Ogum é uma qualidade de Deus? Ogum é uma qualidade ordenadora de Olorum, certo?
Portanto, Olorum que é o todo individualizou-se na sua qualidade ordenadora e gerou Ogum que, mesmo sendo em si só a qualidade ordenadora dele, traz em si as suas outras qualidades divinas e, ao manifestá-las, gera uma infinidade de hierarquias divinas naturais e espirituais, todas classificadas pelas qualidades divinas contidas na qualidade ordenadora de Ogum, que só em Ogum é uma qualidade original.
Já nos “Oguns” qualificados pelas outras qualidades de Olorum, neles a qualidade ordenadora é uma herança divina herdada de Ogum, fato esse que os qualificam como “Oguns”.
A hierarquização é tão rígida que há Olorum, há Ogum e há os “Oguns” que, estes sim, são as outras qualidades de Olorum herdadas por Ogum.
E esses “Oguns” são identificados, classificados e hierarquirizados pelas outras qualidades de Olorum fazendo surgir as hierarquias de Ogum, tais como: • OGUM ordenador da Fé e da religiosidade dos seres; • OGUM ordenador do Amor e da concepção das novas vidas; • OGUM ordenador da razão ou da Justiça divina e regulador dos “limites” de cada coisa criada; • OGUM ordenador da Lei e do caráter de todas as coisas existentes; • OGUM ordenador da Evolução e da estabilidade da criação; • OGUM ordenador da Geração das coisas e da criatividade dos seres; • OGUM ordenador do Tempo e regulador dos ciclos e dos ritmos de cada coisa criada.
De tão hierarquizada que é a criação chegamos ao nível terra e encontramos a hierarquização em tudo e em todos e temos os pássaros de Ogum; temos as ervas (raízes, folhas, flores, frutas, sementes e madeiras) de Ogum.
Temos os animais, os répteis, os insetos, os peixes, os anfíbios, etc., de Ogum.
• Temos os filhos de Ogum.
• Temos as cores de Ogum.
• Temos as armas de Ogum.
• Temos os procedimentos e as
posturas de Ogum, o seu
arquétipo divino.
E o mesmo se repete com todos os Orixás, onde cada um dos Orixás originais é em si uma qualidade original de Olorum, mas com cada um trazendo em si e nessa sua qualidade original que o classifica, o nomeia e o hierarquiza todas as outras qualidades do divino criador Olorum, pois este também individualizou-se em cada um dos seus Orixás originais, sendo que estes também hierarquizam-se em cada uma das suas qualidades divinas que herdaram do divino criador Olorum, multiplicando-se ao infinito e fazendo surgir um novo Orixá para cada uma das qualidades herdadas Dele, o divino criador Olorum.
Daí surgem as muitas “Oxuns”, os muitos “Xangôs”, as muitas “Iemanjás”, etc., todas hierarquizadas e responsáveis pela aplicação das qualidades divinas na vida dos seres espirituais, dos seres naturais, dos seres elementais, dos seres instintivos, dos seres elementares e de tudo o mais que existe e que é identificado e classificado pela qualidade divina do Orixá original que o rege e em cada um individualizou-se e o qualificou com uma das muitas qualidades do divino criador Olorum.
Assim, na Umbanda cultua-se e adora-se a um único Deus e ao Deus único. Mas também cultua-se a adora-se os Orixás porque eles são manifestações e individualizações divinas do divino criador Olorum, origem de tudo e de todos.
A idealização de Deus pela Umbanda guarda a essência da matriz religiosa nagô e a elaborou à partir da hierarquização existente na criação, hierarquização esta só não visível aos desatentos ou desinformados pois até nas linhas de trabalho, formada pelos espíritos humanos, ela está se mostrando o tempo todo através dos nomes simbólicos usados pelos guias espirituais.
- Ou não é verdade que existem muitas linhas de caboclos de Ogum; de Oxossi; de Xangô; de Oxalá; de Oxum; de Iemanjá; de Iansã, etc.?
A Umbanda é monoteísta, mas tal como acontece em todas as outras religiões, ela também crê na existência de um universo divino, povoado por seres divinos que zelam pelo equilíbrio da criação e pelo bem estar dos seres espirituais criados por Deus, o divino criador Olorum. Ou não é verdade que no monoteístico filo religioso judaico-cristão-islamita também se crê na existência de um único Deus e numa corte de seres divinos denominados como anjos, arcanjos, querubins, serafins, etc?
O modelo de organização e descrição de Deus e do universo divino é o mesmo, que é o mesmo utilizado pelo hinduísmo, pelos greco-romanos, persas, egípcios, e outros povos antigos que também acreditavam na existência de um Ser Supremo e numa corte divina a auxiliá-lo na sustentação da criação e na condução da evolução dos seres.
Em se tratando de Deus e das religiões, todas seguem o mesmo modelo de organização, pois dois, não há!
Religiões são como famílias e para existir uma nova família é preciso de um homem, uma mulher, uma casa e filhos.
Não há outra forma de ter uma família organizada e auto sustentável fora desse modelo. E o mesmo acontece com as religiões: um único modelo organizacional para todas.
Uma vez que Deus é um só e a forma de “tê-lo” em nós e Dele nos aproximarmos é a mesma para todos, assim como é o destino dos corpos enterrados nos cemitérios. Então nesse caso não há nada de novo ou diferente desde que o mundo começou a existir. Apenas existem diferenças nas formas de apresentação das religiões, pois umas são rústicas, práticas e simples. Outras são elaboradíssimas, iniciáticas e complexas, como é o caso da Umbanda, compreendida por uma minoria.
Mas no fundo da alma das religiões criadas pelos homens, e dos seres criados por Deus, que só há um, que é o divino criador Olorum, que as habita.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Pesquisar este blog