Nesse espaço

Textos psicografados, romance, Umbanda, Espiritismo compõem a tônica do A Alma das Coisas.
By
Annapon ( escritora e blogueira )

Romance Mediúnico

A Missão das Quatro Estações

Olá amigos leitores do "A Alma das Coisas"! O blog está com uma novidade, romance mediúnico totalmente gratuito. Esse é mai...

segunda-feira, 22 de agosto de 2011

O Vale dos Tatuados


ATENÇÃO! 

NÃO ACREDITEM EM TUDO AQUILO QUE ALGUÉM ESCREVEU! O BOM SENSO E O DISCERNIMENTO SÃO NECESSÁRIOS PARA QUE POSSAMOS VIVER EM PAZ E EQUILÍBRIO!

As palavras de nossa mana Kytanna são claras e podem colaborar no sentido de diluir esse tremendo mal entendido sobre esse tal vale que talvez exista apenas na imaginação dos preconceituosos e intolerantes. A verdade jamais sucumbe. E o amor de Deus a todos acolhe, respeita, sem distinção!
Annapon



O Vale dos Tatuados - Opinião espírita
É o local, segundo crêem alguns, onde ficam exiladas as almas daqueles que, durante a vida terrena, marcaram seus corpos com tinta.
Há pessoas que acreditam que o próprio inferno aguarda por essas almas infelizes, ou que, no mínimo, elas não poderão entrar no céu (seria o próprio Deus preconceituoso?), e decerto ficarão penando, caso não tenham sido tão más em vida a ponto de merecerem a punição das chamas.
Não crendo em céu, inferno e danação eterna, alguns espíritas inventaram o tal vale para que não nos misturemos com as almas de pele “limpa”. Nesse lugar escuro viveremos como animais imundos e maltrapilhos, mesmo que tenhamos o coração mais puro e generoso que o de muitos não-tatuados...
Lá poderemos, decerto, pensar em nosso pecado (a tatuagem) e, com medo da punição, não o cometeremos novamente em nossa próxima encarnação. O que um desenho na pele influencia em nossa evolução espiritual é o que ainda não entendi...
Ouvi falar várias vezes nesse lugar. Um dia, uma senhora me chamou a atenção, na rua, com a nobre intenção de alertar sobre o meu desgraçado destino no além-túmulo. Respondi-lhe que tudo isso, para mim, não passava de uma invenção preconceituosa para inibir aqueles que desejam ter uma tatuagem, e taxar os já tatuados como diferentes e piores aos olhos de Deus: “Imagine se Deus vai se preocupar com a cor de nossa pele, o que importa para Ele é o que levamos em nossos corações.” “Mas está escrito”, foi a sua resposta convicta.
É verdade, está escrito. E daí? Será que o fato de uma afirmação estar escrita e publicada faz com que ela passe a ser verdade absoluta e incontestável? Algumas pessoas acham que sim, principalmente pelo fato do referido texto ter sido psicografado, o que significa que as idéias e palavras foram imaginadas por um espírito e escritas pelas mãos de um médium.
Para os seguidores da doutrina espírita, quando morremos, ou melhor, quando deixamos nosso corpo carnal, continuamos a ser a mesma pessoa, com a mesma personalidade, apenas livres das limitações da matéria. Ou seja, não passamos, a partir daí, a saber todas as verdades. Não nos tornamos oniscientes. ESTÁ ESCRITO.
O livro “Mais além do meu olhar” (Editora Recanto, 2001), escrito pelo Espírito Luiz Sérgio e psicografado pela médium Irene Pacheco Machado, tem uma descrição terrível desse local (o Vale dos Tatuados), e uma crítica ferrenha e extremamente preconceituosa contra aqueles que voluntariamente marcam sua pele com tinta. Como na Divina Comédia de Dante, o autor – desta vez acompanhado não por apenas um guia, mas por um pequeno grupo – passa pelos locais para onde são mandados os vários tipos de espíritos.
Abismos horríveis, locais como verdadeiras prisões malcheirosas, onde habitam espíritos deformados pelo mau-caráter e más ações. Locais para criminosos, estupradores, torturadores e molestadores de crianças, homicidas, traficantes e psicopatas. Tudo o que há de mais terrível e execrável no gênero humano. Um homem que torturou e matou cerca de 40 crianças, e que ainda se ria disso. Uma mulher que cometeu nada menos que 38 abortos quando encarnada, e agora era castigada naquele local de trevas. E, em meio a todos esses “infernos”, nossos “heróis” se deparam, no capítulo 6, com o tenebroso Vale dos Tatuados, local escuro e horrendo, cujos habitantes pagam pelo pecado de terem estragado a sua “roupa perispiritual”.
Lendo as descrições do vale e seus habitantes, chego a imaginar uma gravura de Gustav Dorè para ilustrar os terríveis tormentos dessas almas, cujas tatuagens queimam como fogo e exalam uma incômoda fumaça escura. Algumas mulheres são descritas com a aparência de verdadeiros demônios, cujas línguas, pesadas pelo excesso de piercings, chegavam até a altura do peito. Enquanto o grupo passava, elas diabolicamente mostravam as línguas e davam gargalhadas.
Em determinado momento, provavelmente com a intenção de não parecer preconceituoso – o que deve ser inaceitável para um espírito realmente evoluído – o autor questiona o seu guia a respeito daquele local reservado às pessoas que têm desenhos na pele, citando o fato de que existem tatuados com boas intenções. É informado então que nem todos vão para lá, apenas os “comprometidos”. Em seguida, chama a atenção para o fato de que ali não se encontram pessoas que fizeram tatuagens pequenas, a maioria tem boa parte do corpo tatuado.
A impressão que temos é de que o comprometimento da pessoa é proporcional à quantidade de tattoos que ela tem. Ai, pobre de mim, ai! Será que não terei salvação?
Muitas daquelas almas atormentadas, ainda que não admitissem, estavam arrependidas das tatuagens que fizeram durante suas vidas terrenas, e desejavam então se ver livres delas. Algumas imploravam ao grupo dos “bons” que limpassem seus corpos, retirando a maldição, o sinal do mal. Mas um deles diz que “somente fazendo boas ações veremos apagadas todas essas estampas” (pág. 75).
Neste trecho, fica explícita a intenção do autor de contrapor as boas ações ao fato de se ter tatuagens (no caso, a má ação). “Todos aqueles que estragaram sua roupa perispiritual terão de pagar ceitil por ceitil.” (pág. 74).
(Abro um parêntese para comentar o termo “estragar”. Quando uma pessoa se tatua, ela não está estragando seu corpo, e essa afirmação denota uma visão extremamente preconceituosa daqueles que não admitem ou não conseguem perceber pontos de vista diferentes dos seus. Quem gosta de tatuagens não as considera, de maneira alguma, como uma agressão ao corpo.)
Os espíritos tatuados, segundo o livro, são pessoas que não gostam de ninguém, nem de si mesmos. Ao ser questionado pelos motivos que o levaram a se tatuar, um deles responde: “Não sei. Acho que somos influenciados pelos trevosos, os chefões deste vale.” (pág. 77).
Cuidado, você que pensa em se tatuar! Está escrito: é influência das trevas!!!
Mas o problema, segundo o autor, não são as tatuagens em si. É que aqueles que se tatuaram deixaram de realizar a missão que tinham como encarnados. Em meu entendimento, para que essa afirmação seja coerente, a missão a que ele se refere deve ser “não se tatuar”. Pois obviamente não será o simples fato de termos ou não tatuagens que influenciará nosso caráter e ações, impedindo-nos de realizar aquilo que deveríamos.
Apesar da tentativa de nos mostrar que as almas que habitam o vale não estão ali pelo simples fato de serem tatuadas, mas pelas más ações e intenções, o autor alerta as mães de família sobre os “malefícios da tatuagem”, como se estas gerassem uma mudança de caráter e, conseqüentemente, as más ações.
Ainda nesse livro o autor critica a dança e a música dos jovens – ambas, com certeza, influenciadas pelos “espíritos inferiores”. (pág. 82) Ou seja, tudo o que desagrada a ele (o espírito Luís Sérgio), é atribuído a espíritos trevosos ou inferiores...
Será que isso é evolução espiritual? É não compreender e não aceitar pontos de vista diferentes? É pregar a intolerância?

CONCLUSÃO
Acho um absurdo que uma doutrina como a espírita, que prega amor, caridade e tolerância ao próximo tenha adeptos que espalhem esse tipo de idéias. É um insulto a qualquer doutrina ou religião que pessoas busquem, em seus ensinamentos, falsos embasamentos para justificar seus preconceitos pessoais!
A conclusão a que pude chegar é simples – os espíritas estão certos: quando nos livramos de nosso corpo carnal, não perdemos a nossa personalidade – nossas convicções, nossos medos, nossos afetos, nossos PRECONCEITOS.
Lá (no mundo além-túmulo), como aqui, existem pessoas preconceituosas e que, pior, fazem o possível para divulgar seus pontos de vista distorcidos. Entendo que, em um primeiro momento, a intenção do espírito Luís Sérgio pode ter sido boa, pois o livro fala também sobre os problemas dos jovens com tóxicos, a importância de uma família bem estruturada e uma boa educação moral – coisa que é realmente necessária. Infelizmente, quando inclui a tatuagem como um mal a ser evitado (juntamente com drogas, promiscuidade e desrespeito) o que ele faz, ao contrário de instruir, é despertar e intensificar a intolerância que já existe contra determinado grupo de pessoas. Será que isso é evolução espiritual?

Bibliografia:
"Mais além do meu olhar"; pelo Espírito Luiz Sérgio; psicografado por Irene Pacheco Machado. - 1. ed. - Brasília: Livraria e Editora Recanto, 200 1. Este livro foi psicografado no ano de 1999.

6 comentários:

  1. Bom, acho que dizer que quem se tatua vai para esse vale só porque é "sujo" acho errado.. eu tenho muita vontade de me tatuar.. Mas soube que a questão, é que quem faz isso, perfura o perispírito, e isso é um tipo de auto flagelo.. assim como fumar e beber.. Atinge diretamente o perispírito, é uma forma de se maltratar.. Enfim! Irei pesquisar mais sobre o assunto.

    ResponderExcluir
  2. Olá Amanda!
    Grata por prestigiar o blog!
    Eu, pessoalmente, não vejo como perfurar o perispírito visto que o mesmo não é material.
    Auto flagelo, em minha opinião, é viver em discórdia, com sentimentos de raiva, ódio, vingança, etc. Isso realmente é o que torna a nossa aura escura e dificulta o nosso caminhar.
    O fato de uma pessoa ser tatuada, fumante ou beber em excesso, não quer dizer que ela seja, por exemplo, uma má pessoa, que faça mal aos outros, que promova discórdias ou cometa crimes.
    É urgente nos livrarmos do preconceito, isso sim é mais um flagelo da alma humana.
    E se formos discorrer sobre tudo o que as religiões recomendam como conduta ideal, isso não nos colocaria no lugar de seres humanos que somos e sim em outros planos onde vivem os Anjos e esse definitivamente não é o nosso caso, uma vez que estamos aqui para, gradativamente, evoluirmos!
    Seja sempre bem vinda a esse espaço!
    Annapon

    ResponderExcluir
  3. Caro Annapon,
    Entendo seu pensamento e o respeito. Entretanto, no caso do Espírito Luiz Sérgio, quando uma verdade deve ser proclamada, causa muita celeuma, sempre terá oposição. Livro do Espírito André Luiz demoraram anos para serem lançados, pois discutia-se, se opunham sobre o umbral. E é uma realidade, infelizmente criada pelo próprio ser humano, quando afastado do Bem, da vivência das Leis de Deus, que estabelecem o Equilíbrio da Vida nos dois planos de ação em nos movimentamos: o Espiritual e o material. Ou seja, com isso quero dizer que tudo o que pode prejudicar o nosso corpo afeta, ou pode (dependendo da nossa intensão ou mesmo desconhecimento espiritual) afetar, o nosso perispírito, porque ambos estão ligados por "fios magnéticos" e que passam as sensações tanto para para um quanto para outro, por isso muitas doenças que aparecem no corpo sem razão alguma para existir, pois o perispírito sofreu uma lesão e assim se transfere para o corpo físico, e um exemplo do que o corpo atinge diretamente o perispírito é a situação triste dos suicidas. Tiraram a própria vida quando tinham muitos e muitos anos no plano físico, isso faz com que o perispírito fique ligado ao corpo, só que recebendo toda carga energética do corpo inerte, porque os laços que os retinham foram "cortados" bruscamente, e assim o suicida sente toda a dor de quando fazem a autópsia, dos vermes comendo o corpo físico, o cheiro da decomposição, e o pior, fica colado ao corpo físico debaixo da terra se poder se mexer, até que as últimas energias que mantinham corpo e perispírito se desfaçam completamente. O perispírito é semi-material, ou seja, sua densidade energética é muito sutil em comparação ao corpo físico, por isso sofre ação do corpo material quando o degradamos, seja de várias formas. Um outro exemplo é o do próprio Espírito André Luiz, que chegou ao Mundo Espiritual como suicida, e uma razão disso (além de outras que ele cita em seu livro Nosso Lar), foi ter comido demais, isso mesmo!, ter se alimentado em excesso. Veja que tudo que fizermos ao nosso corpo atinge diretamente o Espírito. O que relato aqui corrobora com o que disse a Amanda sobre lesar o perispírito. E concordo contigo quando dizes que "viver em discórdia, com sentimentos de raiva, ódio, vingança, etc. Isso realmente é o que torna a nossa aura escura e dificulta o nosso caminhar". Mas, esses sentimentos também causam lesões mo perispírito! O problema muitas vezes não é fazer o mal aos outros, mas fazê-lo a nós mesmos. "O fato de uma pessoa ser tatuada, fumante ou beber em excesso, não quer dizer que ela seja, por exemplo, uma má pessoa, que faça mal aos outros, que promova discórdias ou cometa crimes", realmente não torna má pessoa para os outros, mas má para si própria degradando o seu corpo, que é um empréstimo de Deus e que nos será pedido conta do que fizemos dele, e consequentemente causando lesões graves no perispírito, e que se refletirá em próxima encarnação com problemas de saúde. Deus estabeleceu Leis que regulam a vida, em todos os sentidos, e quando infringimos essas leis é necessário corrigir os erros cometidos, retificar nosso caminho de evolução espiritual. Veja que se causamos um mal para o nosso corpo físico e consequentemente para mosso perispírito, não é Deus que nos faz sofrer, não é o Pai Celestial que nos condena com uma doença, fomos nós mesmos.

    ResponderExcluir
  4. Parte final do meu comentário...

    No entanto, como Deus é Amor, e Suas Leis Divinas se estabelecem nesta base superior, quando viemos na próxima ou em em próximas encarnações com defeitos físicos, doenças que não tem razão lógica para existir do ponto de vista médico terreno, o corpo físico serve para regenerar as energias do perispírito, serve para curá-lo. Por isso, jamais devemos tirar a própria vida, abortar, se drogar lícita ou ilicitamente, etc. Vamos responder por tudo que fizermos a nós mesmos. Citei apenas alguns exemplos, do que nos revelam os Irmãos Espirituais Superiores, e não sou dono da verdade, e nem teria a pretensão de tê-la. Sou um amigo e um irmão como qualquer outro, procurando viver e evoluir espiritualmente. Grande abraço!

    Diego Linhares, de Canoas, Rio Grande do Sul.

    ResponderExcluir
  5. A doutrina se baseia no livros de Kardec abaixo:
    O Livro dos Espíritos
    O Livro dos Médiuns
    O Evangelho segundo o Espiritismo
    O Céu e o Inferno
    A Gênese

    E nenhum desse livro a menção de qualquer vale dos tatuados.
    O que não se pode é julgar o espiritismo por um autor ou opinião de algum espírito onde não foi cuidadosamente analisado a luz da doutrina.

    Portando o vamos usar o bom senso, Deus não punirá ninguém que fará uma simples tatuagem, Deus pune os excessos, como sexo desregrado, consumo excesso de drogas, vicio morais e outros

    É caro que se você tatuar seu rosto, como palavras e desenhos agressivos, aqui mesmo na terra vai encontrar problemas para arrumar um emprego por exemplo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Octal!
      Obrigada por participar!
      Na verdade, penso que Deus jamais pune e sim somos nós que nos afastamos ou desviamos de suas Leis!
      Seja sempre bem vindo!
      Annapon

      Excluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Pesquisar este blog